98 visualizações 7 min 0 Comentário

Japão olha além das águas territoriais para energia eólica em meio a impulso verde

- 12 de fevereiro de 2023

O Japão está planejando expandir a geração de energia eólica offshore além de suas águas territoriais para sua zona econômica exclusiva, em um esforço para alcançar a neutralidade de carbono e garantir a segurança energética em meio à guerra da Rússia na Ucrânia.

Um painel de especialistas que analisou a viabilidade de construir instalações de energia eólica na ZEE concluiu recentemente que tal construção é possível desde que o Japão apoie a lei doméstica. Com base na visão, o governo planeja preparar a legislação necessária ou uma revisão legal, disseram autoridades, no momento em que o país deve atualizar sua estratégia marinha por volta de maio.

A guerra da Rússia na Ucrânia alimentou as preocupações com o abastecimento de energia globalmente e aumentou a necessidade de diversificar as fontes de energia.

O Japão, com escassez de recursos, depende fortemente da energia térmica, mas o crescente impulso global em direção à descarbonização significa que ele precisa garantir mais energia de fontes alternativas, como renováveis, que representam apenas uma pequena parte da matriz energética do país.

Algumas nações europeias, incluindo Grã-Bretanha, Bélgica e Holanda, já possuem parques eólicos offshore em suas ZEEs. A China e a Coreia do Sul também estão intensificando a geração de energia eólica offshore.

“Temos a responsabilidade de tomar medidas alinhadas com os esforços globais em direção à neutralidade do carbono”, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida em dezembro, ao receber propostas. “Faremos melhor uso dos recursos marinhos para realizar uma sociedade descarbonizada, expandindo a energia eólica offshore para a ZEE”.

A geração de eletricidade eólica alcançou o maior crescimento entre as fontes renováveis ​​em 2021, mas a capacidade de produção anual precisa aumentar para atingir a neutralidade de carbono em 2050, de acordo com a Agência Internacional de Energia, que observou que são necessárias mais reduções de custo para a energia eólica offshore.

O governante Partido Liberal Democrático tem instado o governo a criar uma estratégia para fazer melhor uso do mar, que é crítico para transporte, desenvolvimento de recursos e segurança nacional.

O maior lobby empresarial do Japão, Keidanren, também enfatizou a necessidade da nação insular, que possui a sexta maior área marítima do mundo, aumentar sua competitividade marítima. A Japan Business Federation, como o órgão é formalmente conhecido, destacou a energia eólica offshore como uma área-chave que requer suporte para construir as cadeias de suprimentos necessárias e desenvolver tecnologia que ajudará a reduzir os custos.

O Japão já possui turbinas eólicas offshore fixadas no fundo do mar dentro de suas águas territoriais. Na ZEE que se estende até 200 milhas náuticas, ou cerca de 370 quilômetros, a partir da linha de base costeira, onde a água é profunda, as turbinas eólicas flutuantes são consideradas adequadas.

A recente autorização do painel do governo é um passo à frente na futura instalação de turbinas eólicas offshore no Japão na ZEE, mas especialistas dizem que provavelmente levará anos para que elas se tornem operacionais.

Até 2040, o Japão pretende aumentar a geração de energia eólica offshore para 30 a 45 gigawatts, o equivalente a cerca de 45 reatores nucleares.

No mix de energia mais amplo, o governo pretende que as energias renováveis ​​respondam por 36 a 38 por cento no ano fiscal de 2030, dobrando em relação ao ano fiscal de 2019. O Japão obterá cerca de 20 por cento cada de energia nuclear e carvão.

O impulso da energia eólica offshore pode se tornar uma questão delicada quando a segurança nacional entra na equação. O governo terá de decidir onde na ZEE permitir que tais equipamentos sejam instalados e consultar as partes relevantes.

De acordo com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, o Estado costeiro tem “direitos soberanos” ao “explorar, explorar, conservar e gerir os recursos naturais” na ZEE.

O estado pode definir zonas de segurança em torno de instalações e estruturas como turbinas eólicas, mas a liberdade de navegação deve ser garantida para todos os estados. A lei também exige “a devida consideração” aos direitos de outros estados.

“Quando se trata de ‘devida consideração’, é importante garantir a liberdade de navegação para outros estados. Antes disso, o mais importante é decidir o que o Japão pretende fazer”, disse o relatório do painel do governo.


Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.
Comentários estão fechados.