98 visualizações 5 min 0 Comentário

Lumberjack the Monster tem prólogo macabro e serial killers

- 2 de dezembro de 2023

Um serial killer mascarado consegue mais do que esperava quando tem como alvo o advogado Akira Ninomiya (Kazuya Kamenashi). O advogado pode parecer um sugador de sangue sem alma em um terno caro, mas veja só: ele é na verdade um psicopata assassino!

“Vou matar aquela aberração”, promete Akira, depois de encontrar pela primeira vez seu antagonista empunhando um machado em um estacionamento. Ele também está falando sério: já o vimos despachar uma vítima de acidente de carro com um pedaço de vidro quebrado, liberando um gêiser de sangue que sinaliza as credenciais de “Lenhador, o Monstro” de Takashi Miike.

Esta adaptação do romance de 2019 de Mayusuke Kurai promete um confronto de supervilões para rivalizar com “Sadako vs. Kayako” ou a luta na jaula de Elon Musk com Mark Zuckerberg. Mas depois de uma enérgica abertura, o filme parece decidir que o que o público realmente quer é falar – muita, muita conversa.

Até esse ponto, “Lumberjack the Monster” parece ser um dos melhores esforços de Miike nos últimos anos, mesmo que ainda esteja muito longe das alturas gonzo de seu trabalho durante o final dos anos 1990 e início dos anos 2000. Após um prólogo macabro, há apenas um preâmbulo mínimo antes do serial killer fazer sua primeira aparição, enquanto somos rapidamente apresentados aos outros personagens principais.

A Nanao de nome único interpreta o perfilador de elite da polícia Ranko Toshiro, que é obviamente inteligente porque usa óculos e tem alguns fios de cabelo fora do lugar. Seus colegas incluem Kiyohiko Shibukawa, esplendidamente desleixado, como um detetive indisciplinado, enquanto Shido Nakamura está em uma forma salgada como ex-suspeito de assassinato.

Riho Yoshioka tem um papel ingrato como a crédula noiva de Akira, e Shota Sometani aparece como um neurocientista assustador que é amigo do anti-herói do filme (adivinhe: ele também é um psicopata!).

A atuação de Kamenashi é um caso clássico de um A-lister aplicando seu conjunto de habilidades existentes para fins mais tortuosos, como quando Tom Cruise interpretou um assassino em “Collateral” (2004), de Michael Mann. Em qualquer outro ano, teria sido divertido ver um dos maiores talentos da empresa anteriormente conhecida como Johnny and Associates ir para o lado negro. Este ano, não muito.

O maior problema do filme é o ritmo. É difícil acreditar que uma história tão rica em potencial possa acabar sendo tão chata. Há cena após cena de exposição, enquanto os investigadores percebem que o caso está ligado a um serial killer anterior que gostava de cirurgia craniana experimental.

A trilha sonora de Koji Endo faz hora extra para gerar tensão, mas os grandes cenários do filme – incluindo um confronto climático em uma casa abandonada que parece a Mansão Assombrada da Disneylândia de Tóquio – são uma soneca.

A ideia mais ousada do filme é que a psicopatia pode ser uma característica desejável. No entanto, perde a oportunidade de mostrar como o carisma, o destemor e a falta de bússola moral de Akira podem ser vantagens na profissão que escolheu, à la Patrick Bateman em “American Psycho”, de Bret Easton Ellis.

Mesmo quando Miike era um dos cineastas japoneses mais elogiados internacionalmente, ele nunca fingiu ser mais do que um pistoleiro de aluguel. Talvez a degradação de seu trabalho recente seja mais um reflexo da própria indústria. Faça o que quiser com o fato de que seu último filme tem dois produtores e mais de uma dúzia de executivos de produção listados nos créditos. Eles não criaram um monstro, apenas uma mediocridade pesada.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata