689 visualizações 2 min 0 Comentário

Médicos nas linhas de frente do COVID-19 do Japão não têm máscaras novas e pagamento de riscos

- 19 de maio de 2020

Médicos hospitalares japoneses na linha de frente da pandemia do COVID-19 enfrentam duras condições de trabalho, com muitas máscaras reaproveitadas e poucos recebendo subsídios, segundo uma pesquisa realizada por um sindicato.

A pesquisa com cerca de 170 médicos, realizada on-line do final de abril a 6 de maio, constatou que três quartos disseram ter recebido ordens de trabalhar na linha de frente do coronavírus, enquanto quatro quintos disseram que não recebem subsídio de risco pelo trabalho.

Na disputa global por equipamentos de proteção e equipamentos médicos, alguns médicos japoneses e outros especialistas dizem que houve uma falha por parte dos governos nacional e local de fornecer assistência financeira adequada e equipamentos de proteção a hospitais e equipes médicas.

A pesquisa da União Zenkoku Ishi, publicada em seu site na sexta-feira, encontrou quase 70% dos médicos dizendo que o governo não está conseguindo lidar adequadamente com a situação.

Uma autoridade do Ministério da Saúde disse que ninguém estava disponível no domingo para comentar as descobertas da pesquisa.

A pesquisa encontrou 31% dos médicos reutilizando máscaras de respirador N95, essenciais para proteger os profissionais de saúde do contágio e devem ser descartados imediatamente, com alguns usando as máscaras indefinidamente.

Um médico relatou usar “a mesma máscara até que as faixas da orelha se rompam”.

O primeiro-ministro Shinzo Abe suspendeu seu estado de emergência para 39 das 47 prefeituras japonesas na quinta-feira, facilitando a contenção de 54% da população. A grande área de Tóquio, responsável por um terço da economia do país, e outras grandes cidades permanecem sujeitas a restrições.

O Japão registrou cerca de 16.300 casos do coronavírus, sem contar infecções em um navio de cruzeiro que foi colocado em quarentena no porto de Yokohama no início deste ano, e 748 mortes por COVID-19, a doença causada pelo vírus, segundo a emissora pública NHK.

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Tóquio
Jonathan Miyata