103 visualizações 2 min 0 Comentário

Microsoft Impulsiona Inovação em IA no Japão com Investimento Bilionário

- 10 de abril de 2024

Primeira Visita em Nove Anos: Kishida Fortalece Laços EUA-Japão, Enfatizando Colaboração em Tecnologia e Segurança.

Durante sua visita oficial a Washington, o Primeiro-Ministro do Japão, Fumio Kishida, anunciou um investimento significativo de US$ 2,9 bilhões da Microsoft Corp em tecnologia de inteligência artificial (IA) no Japão. Este investimento, o maior já realizado pela gigante de tecnologia norte-americana no país asiático, visa modernizar os centros de dados japoneses e fortalecer as capacidades de computação em nuvem.

A visita de Kishida, a primeira de um líder japonês aos EUA em nove anos, tem como objetivo estreitar as relações econômicas e de segurança entre Japão e Estados Unidos, especialmente diante dos desafios representados pela crescente influência da China na região Indo-Pacífico. Durante um encontro com Brad Smith, presidente da Microsoft, Kishida destacou a importância da colaboração entre empresas japonesas e líderes globais de tecnologia, como a Microsoft, para impulsionar o avanço da IA no Japão.

Além disso, a Microsoft planeja estabelecer uma base de pesquisa em Tóquio, a primeira no país, focada em IA e robótica. A empresa também pretende atualizar suas instalações no Japão, incorporando semicondutores avançados para melhorar a infraestrutura tecnológica.

Em um evento organizado pela Câmara de Comércio dos EUA, Kishida destacou a parceria entre Japão e Estados Unidos como fundamental para liderar a comunidade internacional em direção a estabilidade e prosperidade. Ele enfatizou o compromisso dos dois países em acelerar o crescimento econômico global por meio de investimentos em tecnologias chave, incluindo semicondutores, IA, computação quântica e energia limpa.

Este investimento da Microsoft no Japão representa um marco importante na cooperação tecnológica e econômica entre os dois países, prometendo avanços significativos em inteligência artificial e outras tecnologias críticas.

Comentários estão fechados.