142 visualizações 6 min 0 Comentário

Na Faixa de Gaza falta tudo. Até hospital sofreu bombardeio

- 18 de outubro de 2023

WASHINGTON/CIDADE DE GAZA, FAIXA DE GAZA – Centenas de palestinos foram mortos em uma explosão em um hospital na Faixa de Gaza nesta terça-feira, culpa que autoridades israelenses e palestinas atribuíram umas às outras. A explosão desencadeou protestos na Cisjordânia e em todo o Médio Oriente e forçou o cancelamento da tão esperada visita do presidente dos EUA, Joe Biden, à Jordânia.

O Ministério da Saúde administrado pelo Hamas afirmou que Israel estava por trás do ataque ao hospital Al-Ahli, no centro de Gaza, mas os militares israelenses culparam um foguete com defeito disparado por militantes da Jihad Islâmica.

O Catar classificou-o como “um massacre brutal” e um “crime hediondo contra civis indefesos”, com a União Africana, a Organização Mundial da Saúde e a Liga Árabe entre os que criticaram o ataque.

Na Jordânia, manifestantes tentaram invadir a Embaixada de Israel, enquanto o aliado do Hamas, o movimento Hezbollah no Líbano, apoiado pelo Irã, convocou um “dia de fúria” na quarta-feira.

“Estávamos operando no hospital. Houve uma forte explosão e o teto da sala de cirurgia caiu.” disse Ghassan Abu Sittah, médico da instituição Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Ele acrescentou: “Os hospitais não são um alvo. Este derramamento de sangue deve parar. Já basta.”

A ministra da Saúde do governo de Gaza dirigido pelo Hamas, Mai Alkaila, acusou Israel de um massacre. Um chefe da defesa civil de Gaza disse que 300 pessoas foram mortas e um funcionário do Ministério da Saúde disse que 500 foram mortas.

Em resposta, os militares israelenses disseram que “uma barragem de foguetes foi disparada por terroristas em Gaza, passando nas proximidades do hospital Ahli em Gaza no momento em que foi atingido”.

A Jihad Islâmica com sede em Gaza afirmou estar a combater Israel ao lado do Hamas, que governa o enclave costeiro palestiniano.

O Pentágono colocou 2.000 soldados em alerta para serem capazes de “responder rapidamente à evolução do ambiente de segurança no Médio Oriente”. A mídia dos EUA disse que as tropas cobririam funções de apoio, como assistência médica e manuseio de explosivos.

O arquinimigo de Israel, o Irã, que apoia tanto o Hamas como os militantes do Hezbollah baseados no Líbano, alertou repetidamente contra uma invasão de Gaza e na segunda-feira levantou o espectro de uma possível “ação preventiva” contra Israel “por parte do eixo da resistência”.

O líder supremo do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, disse terça-feira que “ninguém pode parar” as forças que se opõem a Israel se este continuar a bombardear Gaza.

O Hezbollah disse mais tarde que cinco de seus combatentes foram mortos “realizando a jihad”, elevando para 10 o número de seus combatentes mortos na intensificação dos confrontos na fronteira.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que os hospitais estavam no limite, com mais de 30 mil pessoas abrigadas apenas no hospital Al-Shifa, na cidade de Gaza.

Afirmou estar “extremamente preocupado” com os surtos de doenças devido à falta de abastecimento de água e saneamento.

“Há cadáveres nas ruas. Os edifícios estão a desabar sobre os seus habitantes”, disse Jamil Abdullah, um sueco-palestiniano, que espera fugir do enclave bloqueado.

“O cheiro dos mortos está em toda parte.”

A agência de trabalho da ONU, UNRWA, afirma que mais de 1 milhão de palestinianos – quase metade da população de Gaza de 2,4 milhões – fugiram das suas casas.

Um armazém de farinha da UNRWA perto da cidade de Gaza foi atingido por um ataque israelita. Mesmo enquanto a fumaça ainda subia dos escombros, moradores desesperados coletaram farinha do chão.

“Estamos morrendo de fome”, disse Abu Hussni al-Hujein, 60 anos.

Israel ordenou aos residentes do norte de Gaza que partissem para o sul, na esperança de libertar a área de civis, em preparação para um ataque terrestre que envolveria um extenuante combate urbano.

Famílias inteiras, crianças pequenas e idosos juntaram pertences e fugiram para o sul de Gaza, acomodando-se em qualquer espaço disponível, dentro e fora de casa.

O Egito manteve fechada a única passagem fronteiriça de Gaza não controlada por Israel, Rafah, o que significa que não há escapatória.

Israel atacou repetidamente a área do lado palestino e negou relatos de qualquer acordo de cessar-fogo temporário para abri-la.

O encerramento de Rafah impediu até agora a fuga de milhares de palestinianos-americanos e outros que esperavam sair de Gaza, ou a entrada de mercadorias de ajuda humanitária agora carregadas em comboios de camiões que aguardavam no Egipto.

Por enquanto, os habitantes de Gaza continuam encurralados, e as nações árabes vizinhas também temem que, se os palestinianos abandonarem o território, possam ser permanentemente exilados.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.