138 visualizações 4 min 0 Comentário

Não é mais uma ‘catástrofe’, a segurança cibernética do Japão ainda pode melhorar

- 13 de julho de 2023

Crédito: Japan Times – 13/07/2023 – Quinta

O maior porto do Japão em volume, o porto de Nagoya, sofreu um ataque de ransomware na semana passada , interrompendo as operações por quase dois dias e afetando as exportações e importações de muitas empresas, incluindo a montadora de renome mundial Toyota.

Embora esta tenha sido a primeira vez que um ataque cibernético em um grande porto japonês causou atrasos significativos nas operações, está longe de ser o único caso de ataque cibernético. Em todo o país, os ataques cibernéticos estão aumentando em geral, com 230 ataques de ransomware relatados em 2022 , de acordo com a Agência Nacional de Polícia.

Ransomware é uma forma de malware que criptografa dados em um dispositivo ou sistema e os mantém como reféns em troca de pagamento, embora dinheiro nem sempre seja o objetivo, de acordo com Paul S. Ziegler, fundador e CEO da Reflare, empresa de consultoria em segurança cibernética.

O sistema do Porto de Nagoya foi invadido por um ransomware chamado Lockbit 3.0. De acordo com a empresa de segurança cibernética Trend Micro, o ransomware foi usado em 3.001 ataques cibernéticos em todo o mundo em 2022.

“Ele é usado em todo o mundo – é um dos kits de ferramentas de ransomware mais sofisticados disponíveis no momento”, disse Ziegler. “Vários grupos o usam; pode ser comprado no mercado negro.”

Isso torna difícil identificar quem está por trás desses ataques cibernéticos e se eles são aleatórios ou direcionados.

O ataque ao porto de Nagoya foi “comum” de acordo com Ziegler, e o Japão experimentou muitas outras ameaças em seu ciberespaço mesmo nos últimos anos.

Fenics , serviço de internet baseado em nuvem da empresa de TI Fujitsu , que é usado por várias agências governamentais e corporações, sofreu uma violação de segurança entre março e novembro de 2022. A mesma empresa foi atingida por ataques cibernéticos em dois de seus outros serviços em nuvem desde 2021.

Em fevereiro de 2022, o fornecedor de peças Kojima Industries foi hackeado , levando a uma pausa na linha de produção da Toyota.

As empresas não são o único alvo de ataques cibernéticos. Hospitais como o Osaka General Medical Center sofreram um ataque de ransomware em seu sistema de prontuário eletrônico em outubro de 2022. Um ano antes, o Hospital Handa na província de Tokushima também foi atingido por um ataque de ransomware e não pôde realizar serviços médicos regulares por aproximadamente dois meses.

Foto: Japan Times (O ransomware, uma forma de malware que criptografa dados em um dispositivo ou sistema e os mantém como reféns em troca de pagamento, é usado em todo o mundo — o que torna difícil identificar quem está por trás desses ataques e se eles são aleatórios ou direcionados. | REUTERS)

Comentários estão fechados.