119 visualizações 8 min 0 Comentário

O fantasma Donald Trump volta a assombrar o Japão e o mundo

- 26 de novembro de 2023

“Em meio ao surgimento de um risco geopolítico após o outro, Trump tornar-se presidente novamente é o maior risco geopolítico de todos.”

Foi o que disse um recente companheiro de almoço, gerente de uma fabricante de automóveis. Donald Trump anunciou recentemente que, se voltar a ser presidente americano, aplicará uma tarifa automática de 10% sobre todas as importações dos EUA. A anterior administração Trump tentou impor tarifas substanciais aos automóveis japoneses – uma medida que foi interrompida pela administração Abe. O meu companheiro já estava a preparar-se para a possibilidade de que, se fosse reeleito, Trump iria imprudentemente impor tarifas semelhantes.

Dentro do governo, alguns manifestaram preocupação com a possibilidade de Trump tentar cobrar “taxas de proteção” exorbitantes dos aliados americanos. A anterior administração Trump tentou quintuplicar a contribuição financeira do governo sul-coreano para manter a presença militar dos EUA no seu país e quadruplicar a do Japão.

Se Trump for reeleito, a primeira vítima poderá muito bem ser a aliança EUA-Coreia do Sul. Trump poderá tentar mediar um “acordo” de desnuclearização com a Coreia do Norte numa outra cimeira com Kim Jong Un, revivendo as concessões dos EUA propostas durante a cimeira anterior EUA-Coreia do Norte: uma declaração oficial que ponha fim à Guerra da Coreia e uma suspensão dos exercícios militares conjuntos com a Coreia do Norte. Isto seria um golpe devastador para a administração do presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol.

O colapso da aliança de Washington com Seul também alimentaria o argumento para que a Coreia do Sul se tornasse nuclear. Durante a sua campanha presidencial de 2016, Trump indicou o seu apoio a tal resultado: “Posso ser honesto consigo? Isso vai acontecer de qualquer maneira.” Desta vez, Kim tornou-se mais forte como resultado das indulgências de Vladimir Putin e pode até fazer uma aposta perigosa. Trump também poderá encorajar a opção nuclear tanto para a Coreia do Sul como para o Japão.

Outros dizem-me que estão, na verdade, mais preocupados com a hesitação dos EUA no seu compromisso com Taiwan. Embora Taiwan não seja um aliado formal dos EUA, a Lei de Relações com Taiwan autoriza o presidente dos EUA a aprovar ações militares em defesa de Taiwan. A estabilidade do Estreito de Taiwan está a ser mantida – por pouco – através de uma combinação da “paciência estratégica” da China, da “ambiguidade estratégica” dos EUA e de Taiwan que quase não pressiona pela independência formal. Esta estabilidade está agora a desmoronar-se como resultado da ofensiva militar da China e da retaliação política dos EUA.

Existe também o perigo de que a “diplomacia do megafone” possibilitada pelas redes sociais prejudique ainda mais as relações EUA-China. A tendência de Trump de usar Taiwan como “peão” no seu jogo com a China deverá manter-nos em alerta máximo.

Um risco mais fundamental que acompanha a reeleição de Trump são as dúvidas que suscitaria sobre a liderança americana no mundo. Sob Trump, os EUA poderão virar as costas à ordem internacional livre e aberta, retirar-se dos acordos multilaterais, sobrecarregar os seus parceiros em acordos bilaterais e, finalmente, criar barricadas atrás de uma política de “América Primeiro”. Os Estados Unidos com tanta falta de confiança não conquistarão o respeito do resto do mundo.

Não há dúvida de que Putin acolheria com satisfação o regresso de Trump ao poder. Ele certamente não fará nenhum esforço para acabar com a guerra na Ucrânia antes das eleições presidenciais dos EUA em novembro de 2024.

Não é tão simples para Xi Jinping. No cenário político cada vez mais fraturado dos EUA, a adoção de uma linha dura em relação à China é a única questão em que o apoio bipartidário está a solidificar-se. Mesmo Trump não pode dar-se ao luxo de ignorar isto para fazer algum acordo mal pensado com Xi. Pelo contrário, provavelmente assumiria uma posição ainda mais forte contra a China.

Também seria uma enorme perda de prestígio para Xi se Trump conseguisse de alguma forma pôr fim à guerra na Ucrânia com Putin. Trazer a Rússia para o grupo poderia ser legitimado sob o disfarce estratégico de “unir-se à Rússia contra a China”, como afirma o candidato republicano nas primárias presidenciais e trumpista Vivek Ramaswamy. Porém, não há dúvida de que este seria um jogo altamente oportunista.

Por outro lado, se o ataque à aliança de Trump acabar por enfraquecer a aliança ocidental, a China será apresentada com uma oportunidade única na vida. Também empurraria a China para ofensivas diplomáticas e militares aventureiras em Taiwan, no Mar da China Meridional e no Golfo Pérsico.

O governo japonês ainda não apresentou um “plano de contingência” no caso da reeleição de Trump. Isto provavelmente incluiria o fortalecimento dos laços com membros republicanos do Congresso, o relançamento de ligações pessoais com membros da administração Trump e a condução de um diálogo aprofundado com os falcões da China. A questão chave, contudo, é como construir uma relação com o próprio Trump.

Também ouvi o sentimento: “Se ao menos Abe estivesse aqui. …” Embora o Japão quisesse confiar na relação “Donald-Shinzo”, perdemos Shinzo Abe.

Durante muito tempo, o Partido Liberal Democrata favoreceu o Partido Republicano e o Japão foi visto como território republicano em Washington. No entanto, uma reeleição de Trump transformaria o Partido Republicano de forma irreconhecível.

Existe também um perigo muito real de que a reação resultante radicalize e empurre o Partido Democrata ainda mais para a esquerda. Esta polarização na política americana desestabilizará ainda mais o mundo. A perspectiva do regresso de Trump ao poder é de fato o maior perigo geopolítico que um Japão sem Abe enfrenta.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.