152 visualizações 5 min 0 Comentário

O Japão estuda a liberação da cannabis para uso medicinal

- 15 de novembro de 2023

A Câmara Baixa do Japão aprovou na terça-feira um projeto de lei para legalizar produtos médicos feitos de cannabis, ao mesmo tempo que esclarece a proibição do país ao uso de outros tipos de maconha.

O projeto de lei, que inclui a revisão de leis relacionadas, foi enviado à Câmara Alta no mesmo dia. Se aprovadas lá, as alterações previstas no projeto provavelmente entrarão em vigor até o final do próximo ano.

O projeto abriria caminho para permitir o uso clínico do Epidiolex, que contém canabidiol, princípio ativo encontrado na planta da cannabis. O produto foi aprovado nos EUA e na Europa para tratar a epilepsia grave.

No Japão, está em curso um ensaio clínico do Epidiolex da GW Pharma.

O projeto de lei, apresentado pelo Ministério da Saúde, também preencheria uma lacuna na Lei de Controle da Cannabis de 1948, que proíbe a posse, o comércio e o cultivo de plantas e produtos de cannabis, mas não contém uma referência específica ao seu uso.

Com as revisões planeadas, a cannabis seria adicionada como substância proibida ao abrigo da Lei de Controlo de Estupefacientes e Psicotrópicos. Uma violação da lei seria punível com até sete anos de prisão.

Na sessão plenária de terça-feira da Câmara Baixa, legisladores de todos os partidos, exceto os do Partido Comunista Japonês e Reiwa Shinsengumi, votaram a favor do projeto.

“Esperamos que, através deste projeto de lei, seja aberto um caminho para que pacientes com epilepsia intratável usem medicamentos derivados da planta de cannabis, ajudando a melhorar sua qualidade de vida”, disse o secretário-chefe de gabinete, Hirokazu Matsuno, depois que o projeto foi aprovado na câmara baixa. “Ao mesmo tempo, esperamos que o projeto de lei nos ajude a reprimir o uso e posse ilícitos (de cannabis) e a prevenir o seu abuso.”

O governo continua a opor-se firmemente ao uso recreativo da marijuana, argumentando que é uma “droga de porta de entrada” para outras drogas ilícitas. Os especialistas médicos estão divididos sobre esta teoria.

Dada a tradição centenária – embora cada vez menor – do país de cultivo de cannabis para a sua fibra, a lei de controlo da cannabis evitou fazer referência ao consumo de cannabis para poupar os agricultores de cânhamo de processos criminais no caso de inalarem acidentalmente cannabis durante a colheita da planta.

Na prática, porém, o governo manteve uma política de tolerância zero. A polícia tomou medidas agressivas contra pessoas suspeitas de usar a planta que contém tetrahidrocanabinol, um produto químico psicoativo que produz efeito, como visto nas recentes prisões de dois estudantes do time de futebol americano da Universidade do Japão.

Na sexta-feira passada, durante uma sessão de deliberação do projeto de lei na comissão de Saúde, Trabalho e Bem-Estar da Câmara dos Deputados, alguns especialistas se opuseram à criminalização do “consumo” de cannabis, dizendo que a medida penalizaria excessivamente os jovens infratores e os condenaria ao ostracismo, dificultando assim a sua reintegração na sociedade. difícil.

No final, o projeto de lei foi aprovado na comissão por maioria de votos, mas foi-lhe acrescentada uma resolução, apelando ao governo para criar um sistema de apoio a esses infratores, para que possam receber educação sobre prevenção do abuso de drogas, reabilitação e assistência na procura de emprego.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.