137 visualizações 4 min 0 Comentário

O presidente da Takarazuka renunciará pelo suicídio de atriz

- 15 de novembro de 2023

Uma investigação sobre o aparente suicídio de um membro da Takarazuka Revue em setembro realizada por um painel terceirizado descobriu que, embora não houvesse evidências de intimidação ou assédio na equipe feminina de teatro musical, a atriz provavelmente estava sob imensa pressão.

O relatório do painel não confirmou as alegações da família enlutada de que a atriz de 25 anos tirou a própria vida devido ao bullying dentro da equipe.

Após o relatório, Kenshi Koba, presidente do grupo de teatro Takarazuka, disse que pretende renunciar ao cargo em 1º de dezembro para assumir a responsabilidade pelo incidente. Outros executivos aceitarão cortes salariais.

Durante uma coletiva de imprensa em Takarazuka, província de Hyogo, Koba pediu desculpas pela morte da atriz, dizendo que o grupo tomará medidas para evitar uma recorrência. Koba disse que responderá “sinceramente” aos pedidos da família enlutada.

A renomada companhia de teatro foi investigada por advogados terceirizados depois que a atriz, que está no grupo há seis anos, foi encontrada morta em sua casa, em setembro.

Sua família acredita que ela foi queimada há dois anos, quando um membro sênior da trupe pressionou uma chapinha de cabelo contra sua testa. No entanto, o relatório de terceiros concluiu que é provável que este incidente tenha sido um acidente.

Afirmou também que não havia nenhuma evidência explícita de que a atriz tivesse sido abusada verbalmente por seus mais velhos, como afirma sua família, mas que existe a possibilidade de ela ter recebido o treinamento repetido como tal.

A alegação dos advogados da família de que ela foi obrigada a trabalhar horas extenuantes foi apoiada pelo relatório de terceiros, que concluiu que ela tinha começado a assumir uma posição de liderança dentro do seu grupo com outro colega, um acordo incomum. Combinado com a pressão única que sofreram para se adaptarem à era pós-pandemia, o relatório observou que ela provavelmente estava sob níveis muito elevados de estresse.

Após o aparente suicídio, a companhia de teatro estabeleceu uma equipe de investigação terceirizada composta por nove advogados para entrevistar mais de 60 membros da equipe da atriz e sete funcionários para avaliar a situação que levou a isso. Quatro membros da equipe se recusaram a participar da investigação.

A companhia de teatro prometeu reduzir o número de apresentações e adicionar mais intervalos entre cada espetáculo, para cuidar melhor da saúde física e mental dos integrantes.

A família da atriz exige uma indemnização, bem como um pedido de desculpas da companhia de teatro e da sua empresa-mãe, a operadora ferroviária Hankyu Hanshin Holdings, pela perda da filha.

A Takarazuka Revue, com sede na província de Hyogo, tem uma longa história. A companhia, que também tem um teatro em Tóquio, tem desfrutado de grande popularidade por seus musicais dramáticos de estilo ocidental, e também é conhecida por ter uma hierarquia estrita entre os membros exclusivamente femininos.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.