183 visualizações 2 min 0 Comentário

População diminuiu, renda per capita japonesa lidera o G7

- 25 de setembro de 2023

Como que surgido do nada, o arquétipo de estagnação secular de todos está a liderar as economias desenvolvidas do Grupo dos Sete em termos de esperança de vida, crescimento per capita e, pela primeira vez em décadas, no fim da deflação que oprimiu tanto os diretores executivos como os investidores globais. E se isso não bastasse, este rolo compressor econômico – mais conhecido como Japão – também está a proporcionar os maiores retornos do mercado de ações denominados em dólares em qualquer parte do mundo.

O Japão registrou o seu maior declínio populacional (500.000 pessoas) no ano passado, o número de habitantes ficou em 125,4 milhões de pessoas, num país com média de vida de 84 anos (quarto entre 240 países). A terceira maior economia do mundo teve o aumento per capita mais significativo no produto interno bruto entre 2013 e 2022 em termos de moeda local. A renda per capita foi de 4,72 milhões de ienes (US$ 32.000/habitante). O fator queda do número de habitantes melhorou o resultado da renda per capita, mesmo quando comparado com outros países do G7: EUA (16% com um aumento de 6% na população), Canadá (45% e 12%), Reino Unido (48% e 5%), Alemanha (32% e 5%), França (33% e 3%) e Itália (30% e -1%), segundo dados compilados pela Bloomberg.

A tendência japonesa para viver mais tempo de forma prosperara repercutiu bem. Os fundos negociados em bolsa acabaram de injetar 1,5 mil milhões de dólares no Japão.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.