2.526 visualizações 2 min 0 Comentário

Renown pediu falência

- 16 de maio de 2020

A fabricante japonesa de roupas Renown Inc. disse na sexta-feira que pediu proteção contra falência após a pandemia de coronavírus ter atingido acentuadamente as vendas nos últimos meses.

Fundada em 1902, a Renown entrou com um pedido de proteção contra credores junto ao Tribunal Distrital de Tóquio sob a lei de reabilitação civil. Foi a primeira falência de uma empresa listada no Japão desde janeiro de 2019, de acordo com a empresa de pesquisa de crédito Teikoku Databank.

A Renown foi sobrecarregada com dívidas no valor de 13,88 bilhões de ienes (129 milhões de dólares).

O surto de coronavírus provocou mais de 150 falências corporativas no Japão, de acordo com a empresa de pesquisa.

Como a disseminação do vírus levou as pessoas a ficar em casa, as vendas da Renown nas lojas de varejo caíram 42,5% em março em relação ao ano anterior. Eles caíram 81% em abril, quando as principais lojas de departamento, seus principais canais de vendas, suspenderam as operações em meio à pandemia.

A fabricante de roupas da marca D’urban registrou uma perda líquida de 6,7 bilhões de ienes no período de março a dezembro de 2019, depois de não receber 5 bilhões de ienes em dívidas pendentes de uma afiliada de Hong Kong do grupo Shandong Ruyi. O grupo têxtil chinês detém 53% da Renown.

A Renown ficou sob o controle do grupo Shandong Ruyi em 2010 para restaurar sua saúde financeira.

A fabricante de vestuário japonesa já teve vendas vigorosas como líder do setor antes da explosão da economia de bolha de ativos do país no início dos anos 90.

Mas lutou para ampliar sua base de clientes, incluindo clientes mais jovens, e enfrentou uma concorrência acirrada de rivais como a Fast Retailing Co., operadora da rede de roupas Uniqlo.

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Tóquio
Jonathan Miyata