168 visualizações 6 min 0 Comentário

Testes gerais da China para frutos do mar japoneses afetam empresas japonesas

- 21 de julho de 2023

Crédito: Japan Times – 21/07/2023 – Sexta

A decisão da China de impor testes gerais para as importações japonesas de frutos do mar em resposta à liberação planejada de água da usina nuclear de Fukushima nº 1 em Tóquio está começando a impactar as empresas japonesas de frutos do mar.

Algumas importações japonesas de frutos do mar já foram adiadas pela agência alfandegária da China, aparentemente devido à intensificação dos procedimentos de teste de radiação.

As importações de frutos do mar de cinco empresas japonesas com sede na China ainda não foram liberadas da alfândega chinesa, correndo o risco de ¥ 100 milhões em danos se acabarem estragando. Segundo informações, leva cerca de duas semanas para realizar testes de radiação para peixe fresco.

“Se um teste de radiação em grande escala for introduzido, isso iria contra o movimento internacional em direção à flexibilização das restrições às importações de alimentos japoneses”, disse o secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, em entrevista coletiva na sexta-feira.

Ele acrescentou que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) já havia dado luz verde no início deste mês ao plano do Japão de liberar mais de 1 milhão de toneladas de água tratada das usinas de Fukushima no mar nos próximos 30 a 40 anos.

A água será liberada depois de passar por um sistema de filtragem chamado Advanced Liquid Processing System (ALPS), que remove a maioria dos radionuclídeos, exceto o trítio. A AIEA diz que este sistema é consistente com os padrões internacionais e terá um impacto insignificante no ambiente marinho.

“A segurança dos produtos alimentícios japoneses foi comprovada cientificamente. O governo, inclusive no nível de ministros das Relações Exteriores, tem instado o lado chinês a remover rapidamente as restrições à importação de produtos alimentícios japoneses com base em evidências científicas”, disse Matsuno.

Mas por causa do assalto, os restaurantes na China que usam peixe importado do Japão são forçados a procurar outras opções. Por exemplo, um restaurante japonês em Xangai foi forçado a parar de servir dourada da região japonesa de Shikoku e substituí-la por peixe importado da Europa.

Além disso, alguns exportadores atacadistas japoneses de frutos do mar agora estão relutantes em enviar para a China por preocupações de que os frutos do mar não passarão pela alfândega antes que estraguem.

“O frescor é tudo para produtos sofisticados, então, se não puder ser enviado aos (clientes) fresco, não há nada que possamos fazer a não ser desistir”, disse Yasuhiro Yamazaki, presidente da Yamaharu, atacadista do mercado de peixes de Toyosu, à TBS.

A China é o maior mercado de exportação de frutos do mar e produtos marinhos do Japão e valia 87,1 bilhões de ienes no ano passado.

Mas a preocupação na China com a segurança alimentar japonesa está crescendo.

A China rejeitou a avaliação da AIEA, dizendo que sua agência alfandegária testará todos os frutos do mar do Japão quanto à radiação. Pequim já está proibindo tais produtos de Fukushima e 10 outras prefeituras devido a preocupações com a radiação.

“Nossa oposição ao plano de descarga oceânica do Japão é baseada em fatos e razões. Assim são as medidas que decidimos tomar. Não há precedente nem padrão comumente aceito para despejar água contaminada por armas nucleares no oceano. É uma questão de ciência e uma questão de atitude também”, disseo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, na quinta-feira.

As preocupações no Japão sobre o impacto dos rígidos padrões alfandegários chineses sobre os produtos de frutos do mar japoneses que afetam a economia do Japão a longo prazo também estão crescendo. O primeiro-ministro Fumio Kishida disse que o Japão continuará a trabalhar para convencer a comunidade internacional de que a liberação da água tratada é cientificamente correta e que os frutos do mar em Fukushima e arredores são seguros.

Foto: Japan Times (Secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, durante entrevista coletiva no gabinete do primeiro-ministro na sexta-feira | KYODO)

Comentários estão fechados.