143 visualizações 7 min 0 Comentário

Transplante de órgão sombrio / vidas não salvas porque o Japão carece de doadores

- 3 de março de 2023

Esta é a terceira e última parte de uma série que analisa a situação dos transplantes de órgãos no Japão, incluindo transplantes obscuros de órgãos no exterior, a falta de supervisão legal e o baixo número de doadores de órgãos.

***

O terceiro filho de Ken Fujiwara, Haruki, tinha 2 anos quando morreu de doença cardíaca em dezembro de 2021, tendo esperado em vão quase dois anos por um transplante de coração que nunca veio por falta de um doador.

“É tão devastador”, disse Fujiwara, 40, de Yamato, Prefeitura de Kanagawa. “Vidas que poderiam ter sido salvas não podem ser. Um país como este não tem esperança.”

A escassez de doadores no Japão levou os pacientes a irem para o exterior para transplantes de órgãos por meio da mediação de grupos como a Intractable Disease Patient Support Association, uma organização sem fins lucrativos com sede em Tóquio.

De acordo com a Japan Organ Transplant Network, 15.791 pessoas estavam em listas de espera para transplantes de órgãos no Japão até o final de janeiro deste ano. O tempo médio de espera é de cerca de três anos para transplantes de coração e cerca de 2 anos e meio para transplantes de pulmão, enquanto que para transplantes de rim ultrapassa 14 anos.

Quanto aos transplantes de coração para crianças menores de 10 anos, atualmente cerca de 50 estão em lista de espera. Mas nos 13 anos desde 2010, menos de 30 operações foram realizadas.

Está claro que a situação de doação de órgãos no Japão é insignificante em comparação com o resto do mundo. De acordo com o banco de dados do Instituto Espanhol de Doação e Transplante NPO, em 2021 o número de doadores por milhão de população foi o mais alto nos Estados Unidos com 41,88, seguido por 40,2 na Espanha. Foi apenas 0,62 no Japão.

De acordo com uma pesquisa realizada naquele ano pelo Cabinet Office, apenas cerca de 10% das pessoas no Japão declararam a intenção de doar seus órgãos, enquanto cerca de 40% responderam que gostariam de doar.

“O desejo das pessoas de ajudar os outros doando seus órgãos não está sendo totalmente realizado”, disse Hiroto Egawa, presidente da Sociedade Japonesa de Transplante. “Este é um erro sistêmico.”

Como outros países estão incentivando mais doações de órgãos?

A Coreia do Sul em 2011 tornou obrigatório que as instituições médicas reportassem informações sobre pacientes com morte cerebral a uma organização de coordenação de transplante de órgãos designada pelo estado.

Por meio dos relatórios obrigatórios, o número de doadores mais que dobrou de 268 em 2010 para 573 em 2016. O número de doadores por milhão de habitantes na Coreia do Sul em 2021 foi de 8,56, ou 14 vezes maior que o do Japão.

Os Estados Unidos têm um mandato semelhante, que abrange não apenas os pacientes com morte cerebral, mas também os falecidos em geral. Um membro da equipe de uma organização de coordenação de transplante de órgãos certificada pelo governo visitará um hospital ao receber um relatório e informará a família do paciente sobre suas opções de doação de órgãos.

Howard Nathan, que serviu por muitos anos como presidente de uma organização de coordenação de doadores de órgãos no estado da Pensilvânia, que em 1994 se tornou um dos primeiros estados dos EUA a adotar relatórios obrigatórios, disse que o número de doadores aumentou cerca de 40% em três anos desde o início do sistema.

No Japão, o comitê de transplante de órgãos do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar vem discutindo a introdução de relatórios obrigatórios, mas nenhum avanço foi feito sobre o assunto. Entre as preocupações citadas está a de que “o fardo será ainda mais pesado para os profissionais médicos na linha de frente”.

No Japão, é principalmente o médico responsável quem informa a família do paciente sobre a opção de doação de órgãos. A carga psicológica que recai sobre o médico ao explicar a doação de órgãos à família de um paciente prestes a morrer é pesada.

“O papel dos coordenadores bem treinados para lidar com as famílias é crucial”, disse Beatriz Dominguez-Gil, diretora-geral de uma organização espanhola de transplante de órgãos, conhecida pela sigla ONT.

Como o Japão pode aumentar o número de doadores de órgãos domésticos e erradicar operações pouco claras no exterior? Antes de mais nada, é necessária a vontade do governo de revisar a lei relevante e melhorar a situação.


Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.
Comentários estão fechados.