105 visualizações 4 min 0 Comentário

2024 Pode Ser o Ano Mais Quente do Japão: Ameaças do El Niño

- 21 de fevereiro de 2024

2024: O Ano do Calor Sem Precedentes no Japão? – Especialistas preveem temperaturas ainda mais elevadas para 2024, evidenciando um padrão alarmante de aquecimento global

O Japão enfrentou temperaturas recordes em 2023, com ondas de calor intensas durante o verão e altas temperaturas inesperadas até mesmo em novembro. Especialistas preveem que 2024 pode ser ainda mais quente, destacando um padrão preocupante de aquecimento global e os efeitos do fenômeno climático El Niño. Fevereiro já registrou temperaturas entre 18 e 20°C em várias partes do país, incluindo regiões tradicionalmente mais frias, sinalizando um ano potencialmente histórico em termos de calor.

A Agência Japonesa para Ciência e Tecnologia Marinha-Terrestre (JAMSTEC) alerta que, embora o El Niño deva diminuir na primavera e desaparecer no final do verão, o calor acumulado ainda precisa ser dissipado. Isso, combinado com o aquecimento global, pode resultar em uma variedade de impactos, desde neve pesada e úmida prejudicando infraestruturas até a chegada imprevisível das flores de cerejeira. Cidades em regiões frias estão se apressando para instalar ar-condicionado em edifícios públicos, antecipando verões ainda mais quentes.

O El Niño, caracterizado pelo aquecimento excepcional das águas do Oceano Pacífico equatorial, ocorre a cada dois a sete anos e traz temperaturas mais altas para o Japão. Seus efeitos são mais sentidos após seu término, quando a energia restante se dissipa no Oceano Índico, afetando o clima japonês durante a estação chuvosa.

O aumento das temperaturas globais, impulsionado pelo aquecimento global e pelo El Niño, não só afeta o clima, mas também a vida selvagem, a agricultura e a saúde pública. Hokkaido, por exemplo, viu centenas de hospitalizações por insolação e o fechamento de escolas devido ao calor extremo. A instalação de ar-condicionado tornou-se uma prioridade, embora o custo proibitivo para muitos signifique que nem todos estarão protegidos das altas temperaturas.

Além disso, o clima mais quente ameaça a biodiversidade e a agricultura. Espécies marinhas tropicais estão se deslocando para o norte, e colheitas como arroz e soja estão sofrendo com o calor intenso. A adaptação a essas mudanças climáticas é crucial, com pesquisas em andamento para desenvolver variedades de plantas resistentes ao calor e estratégias para mitigar os efeitos adversos nas indústrias de pesca e agricultura.

Enquanto o mundo enfrenta o desafio do aquecimento global, o Japão é um exemplo claro dos impactos imediatos e potencialmente devastadores das mudanças climáticas. A combinação do El Niño com temperaturas globais mais altas devido às alterações climáticas sugere que eventos climáticos extremos podem se tornar mais comuns, exigindo ação e adaptação imediatas para proteger o meio ambiente, a economia e a saúde pública.

Comentários estão fechados.