142 visualizações 5 min 0 Comentário

5 mortos no acidente entre 2 aeronaves no aeroporto de Haneda

- 2 de janeiro de 2024

Um jato da Japan Airlines pegou fogo na pista do aeroporto de Haneda, em Tóquio, na terça-feira, após uma colisão no solo com um avião da Guarda Costeira do Japão.

A JAL disse que 367 passageiros e 12 tripulantes estavam a bordo do avião, um Airbus A350, e que todos conseguiram evacuar com segurança, com 15 pessoas feridas. Cinco das seis pessoas no avião da guarda costeira morreram, e o capitão sofreu ferimentos graves.

O avião da JAL estava chegando do aeroporto de New Chitose, em Hokkaido, informou a NHK, acrescentando que a colisão ocorreu depois que o avião da JAL pousou na pista C.

A aeronave da guarda costeira tinha a missão de voar para uma base na província de Niigata, transportando suprimentos para apoiar a área afetada pelo terremoto de magnitude 7.6 que atingiu o Japão na segunda-feira. A aeronave da guarda costeira se movia na pista quando colidiu com o avião da JAL.

A guarda costeira disse que o capitão Genki Miyamoto, 39 anos, relatou à guarda costeira por volta das 17h55 que a aeronave havia “explodido” na pista de Haneda e que ele havia conseguido escapar.

O primeiro-ministro Fumio Kishida disse que foi “muito lamentável” que os cinco membros da guarda costeira tenham morrido no acidente, apresentando as suas sinceras condolências e dizendo que tem grande respeito pelo seu forte sentido de dever em ajudar as vítimas do terramoto.

Os cinco membros que morreram no acidente foram Nobuyuki Tahara, 41, Yoshiki Ishida, 27, Wataru Tatewaki, 39, Makoto Uno, 47, e Shigeaki Kato, 56.

Imagens da NHK mostraram chamas emergindo perto dos motores do avião e bombeiros lutando contra o fogo. Embora cerca de 70 caminhões de bombeiros tenham sido enviados após o incidente, ocorrido às 17h47, o avião estava quase totalmente envolvido pelas chamas a partir das 18h30, mostraram as imagens.

“Senti um solavanco, como se a aeronave estivesse colidindo com alguma coisa ao pousar”, disse um dos passageiros. Vi uma faísca do lado de fora da janela e a cabine estava cheia de gás e fumaça.”

Falando aos repórteres na noite de terça-feira, funcionários do Ministério dos Transportes e da Guarda Costeira disseram que ainda estavam no processo de confirmação das comunicações específicas de controle de voo entre o avião da JAL, a aeronave da Guarda Costeira e os controladores de tráfego aéreo.

“Nunca ouvi falar de uma colisão tão grande num aeroporto no Japão”, disse Yoshitomo Aoki, analista de aviação.

“Os sistemas de controle de tráfego aéreo mundiais são projetados para prevenir acidentes, desde que os controladores de tráfego aéreo nos aeroportos emitam instruções corretas e os pilotos as sigam.”

Todas as quatro pistas de Haneda foram fechadas por volta das 18h, mas o aeroporto conseguiu reabrir todas, exceto a pista C, na terça-feira.

Os voos que chegavam foram desviados para aeroportos em todo o país, incluindo o Aeroporto de Narita, na província de Chiba, o Aeroporto Chubu Centrair, perto de Nagoya, e o Aeroporto de Kansai, na província de Osaka, de acordo com o aplicativo Flightradar24.

O incidente ocorreu durante um dos períodos de viagens mais movimentados do ano, com milhões de japoneses viajando de e para suas cidades natais para o feriado de Ano Novo.

Haneda é o aeroporto mais movimentado do Japão, atendendo quase 90 milhões de passageiros em 2019, antes do surto da COVID-19. É um hub para a Japan Airlines, All Nippon Airways e várias companhias aéreas menores.

O setor de aviação do Japão tem um forte histórico de segurança, sem nenhum incidente fatal envolvendo aeronaves comerciais neste século.

A colisão de terça-feira é também o primeiro incidente grave envolvendo um Airbus A350, que entrou em serviço em 2015.

O A350 é o único avião Airbus da JAL em operação, com 16 em sua frota atual.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.