144 visualizações 9 min 0 Comentário

Terremoto de 7.6 graus na região de Ishikawa deixa desabrigados

- 1 de janeiro de 2024

O Japão foi abalado na segunda-feira, primeiro dia do ano de 2024 por um poderoso terremoto de magnitude 7 na escala shindo do Japão – a classificação mais forte – gerando alertas de tsunami em toda a costa oeste do país e infligindo danos generalizados.

Ondas de tsunami foram registradas em algumas áreas após o terremoto de magnitude 7,6, que ocorreu perto da Península de Noto, na província de Ishikawa, por volta das 16h10.

Teme-se que duas pessoas tenham morrido em Nanao, na Península de Noto, disse a polícia, depois de ambas terem sido encontradas sem sinais vitais. As autoridades no Japão normalmente não confirmam as mortes até serem determinadas por um legista.

Pelo menos seis outras pessoas também teriam ficado presas em edifícios desabados em Wajima, província de Ishikawa. Um incêndio de grande escala também eclodiu na cidade após o terremoto, enquanto vários outros municípios relataram casas desabadas.

Vários feridos foram relatados, incluindo duas mulheres que foram levadas a hospitais após caírem ou serem atingidas por objetos em queda em Awara, província de Fukui, disseram as autoridades locais. Uma mulher de 80 anos em Itoigawa, província de Niigata, caiu durante a evacuação e sofreu um ferimento na cabeça.

Em Ishikawa, aproximadamente 32.500 residências ficaram sem energia.

Um total de mais de 51.000 pessoas em cinco províncias foram instruídas a evacuar, de acordo com a Agência de Gestão de Incêndios e Desastres.

Cerca de 1.000 residentes e outras pessoas foram evacuados para uma base da Força Aérea de Autodefesa em Wajima, e as FDS estão a responder distribuindo cobertores, água e alimentos, disse o Ministério da Defesa.

O governador de Ishikawa, Hiroshi Hase, pediu à SDF que enviasse membros em uma missão de socorro em desastres, de acordo com o governo central.

O epicentro do terremoto foi na região de Noto, que é propensa a grandes terremotos. Sua profundidade era muito rasa, segundo a agência meteorológica.

Nenhuma anormalidade foi relatada nas usinas nucleares do país após o terremoto, disse o governo.

A East Japan Railway Co. suspendeu temporariamente as operações de todas as linhas Tohoku, Joetsu e Hokuriku Shinkansen devido ao terremoto.

Um grande alerta de tsunami – o nível mais alto de alerta – foi emitido para a Península de Noto, na província de Ishikawa, com a agência meteorológica alertando sobre ondas de até 5 metros na área. Posteriormente, a classificação foi rebaixada, mas toda a costa do Mar do Japão permaneceu sob alertas ou avisos de tsunami, com ondas de até 3 metros possíveis.

Um grande alerta de tsunami não foi emitido desde o Grande Terremoto de março de 2011, terremoto que abalou Fukushima e região, Leste do Japão, disse a Agência Meteorológica.

Considera-se que ondas de mais de 1 metro podem dificultar a permanência das pessoas, e esse tsunami pode ser mortal, de acordo com a agência meteorológica.

O alerta de tsunami para as províncias de Ishikawa, Niigata, Toyama e Yamagata instou as pessoas a deixarem rapidamente as áreas costeiras, com ondas de mais de 1,2 metros atingindo o porto de Wajima, na Península de Noto, em Ishikawa, por volta das 16h21, disse a agência meteorológica. A NHK alertou que as ondas podem ter sido maiores do que isso, dependendo da localização exata.

A agência disse que as áreas que sofreram fortes tremores poderão sofrer terremotos de até shindo 7 na próxima semana, especialmente nos próximos dois a três dias.

Falando aos repórteres à noite, o primeiro-ministro Fumio Kishida instou os residentes das áreas afetadas a “continuarem a prestar muita atenção em caso de fortes terremotos”.

“E em áreas onde são esperados tsunamis, gostaria de solicitar que evacuassem o mais rápido possível”, disse ele em Tóquio.

Os alertas de tsunami foram pontuados por vários tremores secundários em toda a Península de Noto após o maior terremoto inicial, registrado como magnitude 7,6, de acordo com a Agência Meteorológica.

A partir das 17h30, os dados da agência indicavam que tremores medindo shindo 1 ou superior ocorreram 19 vezes na segunda-feira, incluindo o choque principal shindo 7 e cinco medindo forte 5.

Ondas de 80 cm atingiram a província de Toyama por volta das 16h35 e ondas de 40 centímetros também atingiram a cidade de Kashiwazaki, na província de Niigata, às 16h36. O porto de Kanazawa, em Ishikawa, sofreu ondas de 40 cm por volta das 17h04, enquanto ondas também foram relatadas na província de Yamagata e na ilha Sado de Niigata.

O secretário-chefe de gabinete, Yoshimasa Hayashi, disse a repórteres em entrevista coletiva que até agora nenhuma anormalidade foi relatada em usinas nucleares em todo o Japão. “Ainda estamos avaliando os danos humanos e físicos”, disse ele.

O terremoto também foi sentido em Tóquio e na região de Kanto.

Jordan Allen, editor de notícias do The Japan Times que normalmente mora em Tóquio, estava no leste da província de Toyama quando ocorreu o terremoto, passando o dia de Ano Novo com a família. Após o primeiro grande terremoto, ele permaneceu sentado na sala de estar avaliando a situação por um momento antes de ocorrer um segundo terremoto, com avisos de tsunami por telefone e alarmes de área disparando logo em seguida.

“Moro no Japão há nove anos e nunca senti nada parecido antes”, disse ele, acrescentando que alguns copos e outros itens caíram e quebraram pela casa. Ele disse que não foi capaz de confirmar nenhum dano grave nas suas imediações. Ele acrescentou que ouviu relatos não confirmados de congestionamento de trânsito na cidade de Namerikawa, na província de Toyama, enquanto os moradores tentavam dirigir para locais mais elevados em áreas montanhosas.

A magnitude do terremoto de segunda-feira corresponde à do terremoto no Mar do Japão em 1983, no qual 104 pessoas morreram e 324 ficaram feridas.

O governo russo emitiu um alerta de tsunami para a região costeira ocidental de Sakhalin, no Extremo Oriente, após o terremoto, informou a agência de notícias Interfax.

A Coreia do Norte e a Coreia do Sul emitiram alertas semelhantes para as suas zonas costeiras orientais, de acordo com a comunicação social e as autoridades locais.

Mais Informações:

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.