110 visualizações 5 min 0 Comentário

A Ponte da China para a Europa, Investimentos e Estratégias na Ferrovia Belgrado-Budapeste

- 7 de maio de 2024

Investimentos que Falam: A Presença Chinesa através de Bilhões. De fábricas de baterias a projetos de mineração, a China solidifica sua posição.

Às 10 horas da manhã, o trem de alta velocidade parte da estação de Belgrado, uma estrutura moderna de vidro e aço, rumo a Novi Sad, no norte da Sérvia. Este percurso, concluído em apenas 36 minutos, marca o início da atualização de uma rota de 350 quilômetros até Budapeste, Hungria, simbolizando a modernidade que a Sérvia anseia. No entanto, esta linha, construída pela China, carrega um significado político mais profundo, refletindo a influência de Pequim em uma Europa que cada vez mais vê a China como um rival estratégico.

A ferrovia Belgrado-Budapeste fortalece os laços entre a Sérvia e a Hungria com a China, oferecendo a Pequim uma entrada estratégica em um continente dividido em suas relações com a segunda maior economia do mundo. Com investimentos diretos chineses superando os 15 bilhões de dólares em ambos os países, a China solidifica sua presença na região, desde fábricas de baterias na Hungria até projetos de mineração na Sérvia.

Esta relação multifacetada, abrangendo desde finanças até política e saúde, é evidenciada pelo presidente sérvio, Aleksandar Vucic, que busca equilibrar o desejo de adesão à União Europeia com as parcerias estabelecidas com a China e a Rússia. Na Hungria, o primeiro-ministro Viktor Orban adota uma abordagem nacionalista, frequentemente em desacordo com a UE, enquanto mantém laços estreitos com Pequim.

A visita do presidente Xi Jinping à Europa, incluindo paradas em Belgrado e Budapeste, destaca a importância dessas relações para a China, buscando demonstrar os benefícios da cooperação com Pequim. A crescente influência econômica da China na região preenche uma lacuna deixada pela UE, com a Sérvia e a Hungria vendo a parceria com a China como uma alternativa ao apoio europeu.

Em Novi Sad, a nova estação ferroviária, prestes a ser inaugurada, simboliza o avanço tecnológico e a eficiência trazidos pelo investimento e know-how chineses. A ferrovia de alta velocidade, com um custo de 2,9 bilhões de dólares, é vista como um marco no desenvolvimento dos Balcãs, apesar das críticas sobre o aprofundamento dos laços com a China.

A viagem de Xi à Europa, a primeira desde 2019, sublinha a estratégia chinesa de fortalecer laços com países europeus dispostos a colaborar com Pequim. A agenda da China na Hungria inclui investimentos significativos, como a construção de uma fábrica de baterias pela Contemporary Amperex Technology e a primeira fábrica europeia da BYD em Szeged.

A China também exerce influência cultural e social na região, com a Hungria abrigando a maior comunidade chinesa da área e a Sérvia recebendo apoio significativo durante a pandemia de coronavírus. Investimentos em mineração e infraestrutura transformaram locais como Bor, na Sérvia, revitalizando a economia local e prometendo desenvolvimento futuro.

A cooperação com a China, enquanto a Sérvia caminha em direção à adesão à UE, mostra a possibilidade de manter a independência e os valores europeus, mesmo com parcerias estratégicas externas. A ligação ferroviária Belgrado-Novi Sad é um exemplo de como o país está navegando por essas águas diplomáticas, equilibrando a cooperação com a China e a integração europeia.

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio

contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.