118 visualizações 9 min 0 Comentário

A Ucrânia preocupa-se com o foco ter se voltado para Israel

- 14 de outubro de 2023

A Rússia deverá beneficiar do conflito Israel-Hamas, uma vez que os pedidos de ajuda militar aos EUA por parte de Israel correm o risco de desviar armas e foco da Ucrânia, enquanto o aumento do preço do petróleo reforça a economia de Moscow.

Os aliados dos EUA e da NATO rejeitaram as preocupações sobre a sua capacidade de continuar a apoiar militarmente a Ucrânia após o ataque do grupo militante Hamas. Isto se deve a Israel receber apoio financeiro de Washington há muitos anos de forma contínua.

No entanto, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, disse na terça-feira que a violência que envolve Israel e Gaza pode muito bem ter um efeito de repercussão. “Existe o risco de que a atenção internacional se desvie da Ucrânia e isso terá consequências”, disse ele numa entrevista à emissora francesa France 2.

Há também um entendimento claro no Kremlin de que a guerra entre Israel e o Hamas funcionará a favor da Rússia, segundo duas pessoas com conhecimento da situação, que pediram para não serem identificadas devido à sensibilidade da questão. O conflito pode, no mínimo, servir para desviar a atenção dos EUA e da Europa da guerra na Ucrânia, disseram as pessoas, mesmo quando a Rússia tem preocupações sobre a sua escalada.

Os objetivos do presidente russo, Vladimir Putin, “serão alcançados mais rapidamente” se o foco dos EUA no conflito de Israel resultar na desaceleração das entregas de armas a Kiev, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, na segunda-feira em entrevista coletiva, após conversações com o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed. Aboul Gheit: “Mas eles serão alcançados de qualquer maneira.”

Na maior parte, não há grande sobreposição entre as necessidades militares de Israel e da Ucrânia, e os suprimentos existentes em Tel Aviv são relativamente robustos à luz de anos de armazenamento, dizem autoridades e especialistas. Israel está à procura de mísseis Iron Dome, munições guiadas com precisão e munições de artilharia dos EUA, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto, enquanto prepara a sua próxima resposta ao ataque do Hamas.

Mas a pressão sobre os abastecimentos poderá aumentar se Israel lançar uma guerra terrestre na Faixa de Gaza, como é esperado.

“É quando eles começarão a usar munições em grande escala – munições de precisão – e provavelmente usarão muitas delas”, disse Mark Cancian, ex-coronel da Marinha dos EUA que agora é conselheiro do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. em Washington. Embora já tenham grandes stocks, disse ele, “podem não ter o suficiente para uma campanha longa”.

A mobilização rápida e em massa também significa que os militares israelenses estão sobrecarregados em termos de equipamento, deixando algumas tropas com itens mais antigos, disse Richard Hecht, porta-voz e tenente-coronel, a jornalistas na terça-feira.

Espera-se que o conflito em Israel seja discutido à margem de uma reunião dos ministros da defesa da OTAN em Bruxelas, na quarta e quinta-feira, também com a presença de Zelenskyy. Antes da reunião, os aliados de Kiev também discutirão as entregas de armas na reunião mensal do Grupo de Contato de Defesa da Ucrânia.

A Ucrânia e a Rússia têm queimado milhares de munições por dia, no que se tornou uma guerra de desgaste. Essas munições não guiadas não serão tão úteis para Israel num cenário de guerra urbana, onde, em vez disso, se apoiarão em munições de precisão para atingir fogo específico que se aproxima, de acordo com Cancian. Mas a Ucrânia também precisa de mais armas mais sofisticadas, à medida que procura atingir alvos como as bases militares russas atrás das linhas da frente.

“O problema é que não podemos fabricar mais num curto período de tempo”, disse Cancian, acrescentando que isso pode exigir que os EUA os retirem dos stocks existentes, que já estão a diminuir.

Mesmo que os EUA não interrompam as entregas para a Ucrânia, isso poderá atrasar esses envios, “o que significa que só poderão disparar contra os alvos de maior prioridade”, acrescentou.

Um alto funcionário da defesa dos EUA disse que, embora os EUA continuem a fornecer uma quantidade significativa de apoio à Ucrânia, são cuidadosos em garantir que também possam responder a outras crises.

Um importante diplomata ocidental disse que não estava preocupado com o impacto da guerra na Ucrânia, em parte porque o próprio exército israelita é capaz e está bem equipado. O diplomata disse estar confiante de que os EUA serão capazes de continuar a apoiar Israel sem que isso tenha um efeito material no que estão a fazer pela Ucrânia.

Outros analistas são mais céticos.

“Se pudesse escolher entre Israel e a Ucrânia, os EUA escolheriam – num piscar de olhos – Israel”, disse Bronwen Maddox, CEO da Chatham House, à Bloomberg TV numa entrevista, mesmo que não esteja a enfrentar uma decisão tão aguda no momento. O presidente Zelenskyy pode estar preocupado – e já estava lutando para reter a atenção americana.”

A futura ajuda dos EUA à Ucrânia foi posta em causa depois de o Congresso ter retirado a assistência a Kiev de um pacote de despesas de curto prazo aprovado para evitar uma paralisação do governo. O financiamento futuro poderá estar agora num terreno ainda mais instável, à medida que o conflito em Israel encoraja os legisladores republicanos céticos em relação ao apoio à Ucrânia.

O apoio da Europa à Ucrânia também sofreu perturbações nas últimas semanas, depois de uma briga entre a Polónia e a Ucrânia ter culminado numa ameaça de Varsóvia de cortar nova ajuda a Kiev. A posição do bloco relativamente à ajuda à Ucrânia também enfrenta um desafio por parte de Robert Fico, um simpatizante da Rússia, que deverá regressar ao poder na Eslováquia.

O impacto do conflito Israel-Hamas no preço do petróleo também poderá impulsionar o esforço de guerra da Rússia na Ucrânia. O preço do petróleo caiu na terça-feira, mas apenas depois de receios de que o conflito pudesse envolver os principais produtores de energia da região, como o Irão e a Arábia Saudita, tenham anteriormente impulsionado os futuros do petróleo nos EUA acima dos 87 dólares por barril.

“À medida que os preços do petróleo sobem, isto permite-lhes continuar a gastar na produção de armas e também os ajuda a cobrir alguns défices orçamentais”, disse Ann Marie Dailey, investigadora política da Rand Corp. -prazo.”

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.