96 visualizações 4 min 0 Comentário

Abrigos às vítimas do terremoto de Noto não aceitam animais

- 6 de janeiro de 2024

Nanao, Província Ishikawa – Minako Nakashima é uma das muitas pessoas que foram deslocadas pelo terremoto que atingiu a costa do Mar do Japão no dia de Ano Novo. Felizmente, ela não está sozinha – seu cachorro shiba está lhe fazendo companhia.

Mas a residente de Nanao, de 49 anos, foi forçada a passar a primeira noite na sua casa desequilibrada – que só tinha um quarto intacto – porque o seu companheiro de quatro patas não era bem-vindo nos vários abrigos que visitou.

A experiência de Nakashima destaca os muitos desafios enfrentados pelos donos de animais de estimação em tempos de desastre e é um problema recorrente.

Os animais de estimação que foram separados dos seus donos enfrentam um futuro incerto. Por exemplo, alguns animais de estimação que ficaram desabrigados após o desastre de 11 de março de 2011 ainda permanecem em abrigos de animais, seja porque os proprietários continuam desaparecidos ou porque vivem atualmente em alojamentos onde não estão autorizados a ter animais de estimação. A cidade de Nanao, localizada perto do epicentro do terremoto, na região de Noto, na província de Ishikawa, foi uma das áreas mais atingidas.

Nakashima finalmente conseguiu encontrar um abrigo que aceitasse ela e seu cachorro, mas ela teve que permanecer perto da entrada, onde vários outros donos de animais de estimação estavam reunidos.

Alergias a animais de estimação estavam entre os motivos pelos quais eles não eram permitidos dentro do abrigo do Centro Comunitário Misogichiku, onde é mais quente e confortável. Também foram informados de que a presença de animais incomodava algumas pessoas.

Mas Nakashima, aninhada no canto com seu cachorro, disse: “Estou muito feliz por poder estar com Momo-chan”.

Nem todos estavam satisfeitos com a situação, no entanto. Taiko Minami, 81 anos, criticou o abrigo e outros por não permitirem a entrada de donos de animais de estimação no quarto, dizendo que eles poderiam pegar gripe.

Os tremores secundários também dificultaram o relaxamento dela e de outras pessoas, junto com seus animais de estimação.

“Afinal, os animais de estimação são uma família, por isso não devemos discriminá-los”, disse Minami. “O mais difícil é que as pessoas dizem ‘Não entre’”.

O forte terremoto destruiu sua casa, com o telhado caindo na rua. Ela ficou presa sob os escombros, mas foi resgatada horas depois, quando um homem a avistou através de uma abertura que ela havia criado.

Infelizmente, seu cachorro – um bassê de 19 anos, dado como morto – ainda estava preso em algum lugar embaixo.

No centro de evacuação, Minami se aconchegou com o cachorro de um voluntário para se animar, o que significa que ela teve que ficar perto da entrada. Minami chamou o cachorro pelo nome de seu próprio cachorro – também Momo-chan.

Apesar do frio, muitos donos de animais não conseguiram nem cobertor, inclusive Minami, que teve que pegar um emprestado da amiga.

Sua irmã na província de Osaka disse para ela ficar com ela. Mas Minami recusou, dizendo que não poderia ir embora enquanto seu cachorro ainda estivesse desaparecido. No mínimo, ela queria dar ao seu cachorro um enterro adequado.

“Neste momento, a compaixão é importante”, disse Minami. “Por que não nos deixa entrar para que todos possam ser felizes?”

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.