106 visualizações 10 min 0 Comentário

As DJ mulheres têm se despontado como as melhores do Japão

- 3 de janeiro de 2024

Quando a popular artista sul-coreana DJ Soda recorreu às redes sociais no verão passado para denunciar aqueles que a apalparam num festival de música de Osaka, ela destacou os desafios enfrentados pelas mulheres que criam o seu próprio nicho dinâmico na cena da música de dança eletrônica dominada pelos homens.

As mulheres representaram apenas cerca de 10% dos 100 melhores DJs mundiais classificados no ano passado pela publicação britânica DJ Mag, e o Japão também reflete essa realidade. As aspirantes a disc jockeys na agitada vida noturna do país enfrentam fortes preconceitos de gênero.

DJ Natsumi, que conheceu DJ Soda há quase uma década, enquanto se apresentava num clube na província de Fukuoka, no sudoeste do Japão, diz que a tendência das mulheres serem objetificadas, ou pior, com base na sua aparência, está no cerne da questão.

“As pessoas costumam dizer que as mulheres chamam a atenção sem qualquer habilidade ou esforço real, apenas porque se destacam em comunicação ou vendas. E se você se destaca, as pessoas tendem a pensar que não é devido à sua música e não consideram suas habilidades reais, – diz Natsumi.

Originalmente uma dançarina, Natsumi começou a discotecar aos 19 anos no distrito de clubes de sua cidade natal, Fukuoka. No início de sua carreira, de 2014 a 2018, ela fez parte de uma dupla feminina de DJs conhecida como Tidy. Foi nessa época que ela conheceu DJ Soda e se inspirou em seu visual e vibe.

Natsumi diz que também encontrou contato físico indesejado e avanços sexuais durante o tempo em que imitou a estética atraente de DJ Soda. Desde então, ela mudou para um estilo de rua mais casual para encorajar as pessoas a valorizá-la por sua arte, e não por sua aparência.

“Ser sexy pode atrair atenção, mas você tende a ser visto de uma certa maneira pelos homens. Quero que as pessoas me vejam pela minha música”, diz Natsumi.

Seus esforços pareciam ter valido a pena. Em 2019, ela foi classificada como a melhor produtora com menos de 29 anos no Japão pela DJ Mag Japan, uma versão localizada do ranking mundial de DJs, e em primeiro lugar no ranking de DJs femininas DJane Mag Japan em 2020 e 2021.

DJ Eri x2, que estreou em abril de 2021, diz que, como mulher, muitas vezes sente que precisa se esforçar mais para ser levada a sério.

Mas a promissora DJ conseguiu evitar o assédio sexual sendo esperta, mantendo distância da multidão e afastando-se imediatamente de situações comprometedoras.

“Estou sempre alerta porque nunca se sabe o que pode acontecer em uma boate onde há bebida”, diz Eri x2, que já tocou em locais importantes como Ce La Vi Tokyo, Womb e Zerotokyo.

Sumiko Nakashima, uma consultora de 40 anos que trabalha como DJ conhecida como Sumi, diz que a falta de educação sexual entre os jovens e as leis fracas sobre assédio sexual no Japão são parcialmente responsáveis ​​pela normalização do comportamento desagradável nos clubes.

“Nos Estados Unidos, tais (ações) seriam punidas. Portanto, os japoneses são realmente mimados, pois podem fazer o que quiserem”, diz Nakashima, ao mesmo tempo que culpa a indústria sexual generalizada do Japão pela sexualização excessiva das mulheres.

Esta e outras questões culturais deixam o Japão consistentemente mal classificado nas classificações de disparidades de gênero do Fórum Econômico Mundial, que monitorizam a participação e as oportunidades econômicas, o nível de escolaridade, a saúde e a sobrevivência, e o empoderamento. O Japão caiu para a posição mais baixa já registrada, na 125ª posição entre 146 países em 2023, a pior na região do Leste Asiático e Pacífico.

Entretanto, a indústria do sexo do país foi estimada em colossais 24 mil milhões de dólares em 2015, a terceira maior do mundo, segundo a empresa de pesquisa do mercado negro Havocscope.

Neste contexto, a veterana DJ Mai-My, que co-fundou a III Faiths DJ School no distrito de Shibuya, em Tóquio, há quase 15 anos, diz que os preconceitos de género subjacentes também podem funcionar em benefício das mulheres.

“Mesmo que os rapazes sejam DJs habilidosos, existem poucas oportunidades. Para as meninas, mostrar um pouco mais ou ser jovem chama a atenção dos organizadores ou donos de locais. Então, para nós, como organizadores, é mais fácil fazer uma garota famoso do que um cara”, diz ela.

A III Faiths DJ School, que possui sete franquias em todo o Japão e afiliadas nas Filipinas e em Cingapura, possui mais de 4.500 graduados, alguns deles se apresentando em festivais de música mundialmente famosos, como Ultra Japan e EDC Mexico.

Mai-My diz que o número de alunas na escola aumentou nos últimos anos, à medida que plataformas de transmissão ao vivo como o TikTok permitiram o acesso ao público na segurança de suas casas.

“A compatibilidade com conteúdo digital é excelente para DJs, tornando-o agradável para um público diversificado. Principalmente porque permite que adolescentes, que não podem entrar em boates, e gerações mais velhas se envolvam com esse tipo de música”, afirma.

Mai-My, que começou a discotecar numa era antes dos telemóveis e das escolas de DJ, aprendeu sozinha observando DJs profissionais em clubes que frequentava desde os 18 anos.

“Mesmo que você pedisse a pessoas experientes para lhe ensinar, elas não compartilhariam suas técnicas. Então, observei e aprendi roubando, em vez de depender de alguém para me guiar”, diz Mai-My.

Agora com quase 30 anos de experiência, ela apoia DJs iniciantes que fazem sua estreia após se formarem em sua escola. Mas numa época em que a tecnologia tornou uma grande coleção de vinis e as habilidades de toca-discos um tanto obsoletas, os aspirantes a DJ precisam oferecer algo extra para obter uma vantagem competitiva.

“Se, digamos, 8 em 10 podem ser facilmente alcançados, então se torna uma escolha de como cobrir os dois restantes – seja através da aparência ou da habilidade. A aparência é fácil, contanto que você a tenha. Mas para a habilidade, para vencer alguém que já faz isso há 10 ou 20 anos, você precisa ser incrivelmente bom”, diz Mai-My.

Natsumi admite que sua estratégia inicial de usar roupas reveladoras como parte do Tidy e divulgar essa imagem nas redes sociais a ajudou a ganhar fãs quando entrou pela primeira vez na indústria. Posteriormente, isso permitiu-lhe estabelecer o seu próprio estilo e garantir convites para se apresentar em festivais internacionais como o EDC México.

Agora DJ, produtora e influenciadora em tempo integral, Natsumi quer acabar com o preconceito no cenário da música eletrônica dominado pelos homens e se tornar uma influência positiva para talentos emergentes.

“Acredito em produzir minha própria música e é isso que está me fazendo ter sucesso. Então, espero que mais pessoas sigam o mesmo caminho. Fazer música sendo DJ”, diz Natsumi.

Enquanto isso, Mai-My diz que chegar ao topo em qualquer profissão, não apenas como DJ, é um desafio e a perseverança é fundamental.

“Apesar de começar com entusiasmo, muitas pessoas acabam desistindo. Então, seja porque você ama música ou gosta da cultura (clube), o mais importante é persistir.”

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.