190 visualizações 5 min 0 Comentário

Aumenta a taxa de consumo de álcool entre as mulheres

- 20 de agosto de 2023

Novos dados mostram mulheres americanas estão morrendo de álcool mais do que nunca.

As autoridades de saúde pública precisam adotar política pública mais eficazes para alertar sobre o mal do excesso de álcool. Isto é resultado do marketing que impulsionam um estilo de vida “rosé”, que estimula o consumo do álcool.

“Se você voltar a 1990, havia cinco vezes mais homens que tinham transtorno de uso de álcool do que mulheres — atualmente rediziu-se para dois, ” diz George Koob, diretor do Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo. Os homens reduziram, enquanto as mulheres bebem mais. “As diferenças de gênero estão convergindo. ” A tendência começa cedo: as mulheres em idade universitária agora superam seus colegas do sexo masculino em bebedeiras, diz Koob.

Esses hábitos costumavam ser reduzidos quando as mulheres se casavam e tinham filhos —, sabe-se que as pessoas bebem menos durante as transições de vida do casamento e da paternidade —, mas com mais mulheres atrasando ou renunciando a este comportamento, o mal hábito persiste por mais tempo. De acordo com um estudo recente, o atraso na maternidade é um dos fatores que cria um grupo maior de mulheres em risco de abuso de álcool.

As mulheres no topo do espectro socioeconômico parecem estar impulsionando a mudança. “Os aumentos no consumo de álcool estão concentrados entre os mais altos níveis socioeconômico, o mais alto nível de renda familiar e as ocupações consideradas mais prestigiadas”, diz Katherine Keyes, epidemiologista da Universidade de Columbia, quem foi o autor do estudo.

O esforço de marketing para vender álcool para mulheres é assustadoramente semelhante ao impulso da Virginia Slims pela indústria do tabaco e ao famoso “Você percorreu um longo caminho, slogan ” do bebê —, que resultou em um aumento acentuado nas taxas de tabagismo entre as mulheres, diz Dawn Sugarman, psicólogo pesquisador da divisão de álcool, drogas e dependência do McLean Hospital.

Dadas as maiores taxas de ansiedade e depressão das mulheres, a questão natural é se elas estão bebendo mais para lidar com isto. Embora alguns dados sugiram que isso desempenha um papel, os dados emergentes do laboratório de Keyes sugerem que há mais coisas acontecendo. Em pesquisas em que as pessoas são solicitadas a dar suas razões para beber, a maior mudança que ela está vendo é mais mulheres dizendo que estão bebendo para se divertir.

Este hábito entre as mulheres não é algo restrito às americanas, mas faz parte das japonesas também. Quem nunca presenciou japonesas cambaleando nas ruas próximas da estação de trem durante a semana, no fim de noite.

Isso sugere que as autoridades de saúde pública precisam conscientizar as mulheres sobre as consequências do álcool. O corpo das mulheres tem menos água para diluir o álcool, mais gordura retendo mais o álcool e níveis mais baixos de uma enzima metabólica, que a decompõe antes de entrar na corrente sanguínea. “As mulheres são mais vulneráveis a ressacas, inflamação do fígado, doenças cardiovasculares e até certos tipos de câncer”, diz Koob.

No entanto, poucas mulheres estão informadas sobre o malefício do álcool.

Segurar um cigarro fino nunca foi um sinal do progresso feminino, um copo de bebida alcoólica também não. As agências de saúde pública fariam bem em lembrar às mulheres sobre o efeito do marketing da indústria tabagista: as taxas de câncer de pulmão dispararam entre as mulheres.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.