138 visualizações 5 min 0 Comentário

China Aumenta Produção e Importação de Carvão, Comprometendo Esforços Globais de Descarbonização

- 5 de junho de 2024

Importações de Carvão na China Crescem 62%. Totalizando 470 milhões de toneladas, impulsionando a geração de energia.

PEQUIM — A China, maior produtora mundial de dióxido de carbono, está intensificando sua produção e importação de carvão, o que pode comprometer os esforços de descarbonização de outros países. Em 2023, a produção e as importações de carvão da China atingiram níveis recordes, com grande parte desse carvão sendo utilizada para geração de energia a carvão, a fim de atender à crescente demanda por eletricidade.

O jornal econômico chinês Economic Information Daily relatou na sexta-feira sobre uma pilha de carvão de 11 metros de altura em um local de aproximadamente 8.000 metros quadrados, próximo a uma usina da State Power Investment Corporation, na província de Anhui. A empresa armazena cerca de 16 milhões de toneladas de carvão.

A Administração Nacional de Energia da China estima que a demanda máxima de energia neste verão aumentará em mais de 100 milhões de quilowatts em comparação com o ano passado. A China provavelmente pretende eliminar as preocupações sobre o equilíbrio entre oferta e demanda de eletricidade, exibindo as reservas de carvão da empresa.

De acordo com o Gabinete Nacional de Estatísticas da China e outras fontes, a produção de carvão do país atingiu um recorde de 4,71 bilhões de toneladas em 2023, um aumento de 3% em relação ao ano anterior. A produção de carvão da China atingiu níveis recordes por três anos consecutivos, representando mais de 50% da produção global. Além disso, as importações de carvão da China aumentaram 62% anualmente, totalizando 470 milhões de toneladas em 2023.

A maior parte do combustível é usada para gerar energia a carvão. Acredita-se que o governo chinês tenha aprovado 114 gigawatts (GW) extras de capacidade de energia a carvão em 2023. Essa capacidade adicional é o dobro da capacidade total do Japão, que é de 53 GW.

A China sofreu graves faltas de energia e turbulências no verão de 2021, o que explica o aumento de sua produção de carvão.

No discurso na Assembleia Geral da ONU em 2020, o presidente chinês Xi Jinping declarou que a China pretendia atingir o pico das emissões de CO2 antes de 2030. Em resposta ao seu discurso, o fornecimento de carvão diminuiu na China e o seu preço subiu várias vezes ao longo do ano. Muitos governos locais reduziram o fornecimento de eletricidade para atingir as metas de redução atribuídas, sem garantir fontes de energia alternativas.

A segurança energética é outra razão por trás da produção de carvão. Diferentemente do petróleo bruto e do gás natural, dos quais a China depende para importações, o país é quase autossuficiente em termos de carvão. Embora tenha aumentado a geração de energia eólica e solar, essas fontes de energia dependem das condições climáticas. Como resultado, o carvão é a principal fonte de energia da China para garantir um fornecimento estável de eletricidade. Nestas circunstâncias, haverá uma corrida à construção de centrais térmicas a carvão até 2030, segundo uma fonte do setor energético. Alguns esperam que a capacidade energética a carvão da China aumente em mais de 20% no futuro.

A medida da China vai contra a tendência global de descarbonização. A conferência climática da ONU COP 28 concordou em dezembro de 2023 que o mundo precisa reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 43% em relação aos níveis de 2019 até 2030. Para atingir este objetivo, os esforços da China são essenciais, uma vez que o país produz cerca de 30% das emissões globais de CO2.

“A China não se retirou das medidas anti-aquecimento global, mas está cada vez mais dando prioridade a um fornecimento de eletricidade barato e estável”, disse Taishi Sugiyama, diretor de pesquisa do Canon Institute for Global Studies.

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.