117 visualizações 5 min 0 Comentário

Consoles de games japoneses perdem representatividade mundial

- 22 de novembro de 2023

Para muitos de nós, especialmente aqueles de uma certa idade, o Japão é o país que construiu a indústria de jogos.

Nomes como Nintendo, Sega, Capcom, Square Enix e, claro, Sony PlayStation representam muitos dos pilares sobre os quais o setor foi construído. Ainda assim, é inegável que a indústria se tornou mais globalizada nos últimos anos. Podemos ver isso nos números: em 2002, o Japão representava cerca de 50% das receitas globais do jogo; hoje, representa algo em torno de 15%.

Isso certamente não significa que o Japão deixará de ser um líder global na indústria de jogos. Na verdade, continua na vanguarda. Mas há também um consenso crescente de que o mercado está a mudar, tanto em termos da experiência do jogo como da economia do setor. É claro que a mudança já ocorreu nos últimos anos: a prevalência de jogos móveis, plataformas de jogos em nuvem e o conceito de jogos como serviço estão entre os exemplos disso. 

A experiência de jogar está mudando

Primeiro, devemos considerar o conceito de jogo, que, como afirmado, foi em grande parte construído com base na engenhosidade japonesa. Temos a ideia de um console, uma tela de tv e um controle. Esta foi a ideia predominante entre as décadas de 1970 à 2000 e ainda é a percepção dominante hoje. Mas será assim daqui a 10, 20 ou 30 anos?

Para começar, a ideia de hardware para jogos está começando a se tornar menos relevante. Um jogador pode experimentar títulos em smartphone como Candy Crush e jogar jogos casuais como Lantern Luck em qualquer dispositivo, onde e quando quiser. Também sabemos que o console está se tornando menos importante como meio de jogo. O chefe do Xbox, Phil Spencer, confirmou isso. Sabemos que provavelmente haverá um PlayStation 6 da Sony, bem como quaisquer consoles ‘sequências’ da Nintendo e Xbox/Microsoft, mas talvez não vejamos um PlayStation 7.

AR pode transformar a mecânica dos jogos

Mas podemos ir ainda mais longe do que isso. Os fãs de tecnologia não deixarão de notar a exibição dos headsets Vision Pro AR da Apple na WWDC 2023, em junho. O dispositivo será lançado no próximo ano. E embora não seja estritamente um dispositivo de jogo, levantará questões para a indústria de jogos. Ou seja, do jeito que estamos indo, jogar pode não ser necessariamente algo que você faz em uma tela, nem com as mãos por meio de um controle. Pode se tornar uma experiência mais sensorial, algo que acontece ao seu redor e que você controla com movimentos oculares ou comandos de voz.

Como mencionamos anteriormente, o Japão certamente não dorme ao volante. Na verdade, quando se trata de AR e de mudar as fronteiras dos jogos, considere um dos títulos de maior sucesso da última década – Pokémon Go. 

Pokémon Go continua popular até hoje, mas pode ser visto nos livros de história como um título fundamental que começou a nos mostrar que jogar não era algo que você fazia em seu quarto, mas que podia incorporar elementos do mundo exterior. Claro, isso prova nosso ponto de vista sobre a globalização dos jogos, já que o Pokémon Go foi criado em parceria com empresas americanas (Niantic) e japonesas (Nintendo, The Pokémon Company).

É sempre possível que a AR – e as experiências de jogos VR que encontraremos no metaverso – caiam um pouco. Talvez não devamos jogar em mundos virtuais e talvez isso acabe sendo visto como chato. Afinal, gostamos de jogar para escapar da realidade, não para construí-la. Mas será interessante ver a influência do Japão na indústria nos próximos anos. O país forneceu grande parte do rico cenário de jogos dos últimos 50 anos e temos certeza de que a paixão japonesa pelos jogos influenciará a próxima grande era em todo o mundo.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.