119 visualizações 7 min 0 Comentário

Doente mental viaja pelo Japão de bicicleta e ajuda doentes

- 30 de outubro de 2023

Um jovem japonês que lutou durante anos com sua saúde mental está incansavelmente ajudando outras pessoas que passam por dificuldades semelhantes. Ele até fez um passeio de bicicleta pelo país para falar sobre suas experiências, tentando dissipar o estigma negativo que cerca a doença mental.

Tendo lidado com problemas de saúde mental desde cedo, Takumi Hara, 27 anos, pensou que tinha se recuperado totalmente durante os anos de faculdade, mas seus sintomas pioraram novamente quando ele começou a vida adulta.

As estatísticas mostram que 1 em cada 4 pessoas no Japão tem problemas de saúde mental em algum momento da vida.

“No passado, quase morri em consequência de uma doença mental”, disse Hara no final de setembro, durante a abertura do seu discurso perante cerca de 40 alunos do primeiro ano de uma escola secundária privada na província de Saitama. Ele então falou sobre o acontecimento em sua vida que o levou do “fundo do poço para poder falar na frente de todos vocês hoje”.

Enquanto procurava seu primeiro emprego de pós-graduação durante seu terceiro ano na Universidade Keio, Hara, que era vice-capitão do time de basquete de sua universidade, tinha dificuldades no relacionamento com os companheiros e se preocupava com seu futuro. Incapaz de dormir à noite, ele tentou o suicídio bebendo água sanitária.

Ele foi diagnosticado com depressão, perdeu muito peso e foi internado em uma enfermaria psiquiátrica. De alguma forma, ele conseguiu se formar e começou a trabalhar em uma seguradora, mas adoeceu novamente no ano seguinte, após a pandemia de COVID-19, forçando-o a tirar uma licença do trabalho.

Durante seus anos de faculdade, Hara sentiu-se incapaz de confiar nas pessoas ao seu redor. Mesmo depois de sair do hospital, ele deixou de ir ao ambulatório uma vez por semana porque “não queria ser atendido”.

Isso continuou até que um dia ele foi atingido por um pensamento: “Se eu me afastar da minha doença, não serei capaz de viver o resto da minha vida de maneira positiva”.

Ele decidiu largar o emprego e embarcou em um passeio de bicicleta por todo o país em 2021 para falar sobre suas experiências de saúde mental sempre que possível.

Inicialmente, poucas pessoas demonstraram interesse.

Levando consigo uma bola de basquete, Hara tentou participar de eventos esportivos em escolas e clubes que visitava. Ele apareceu em artigos de jornais e em outras plataformas de mídia e aumentou gradualmente suas palestras.

Embora a turnê tenha terminado no verão de 2022, ele continuou suas atividades e já falou em cerca de 30 lugares até o momento.

De acordo com o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, cerca de 5,86 milhões de pessoas visitaram hospitais no Japão por causa de transtornos mentais em 2020. Além daqueles com demência entre os idosos, o total incluía um grande número de jovens e aqueles no auge da vida. suas vidas profissionais.

Especificamente, havia cerca de 790 mil pessoas com menos de 25 anos, 13,5% do total, bem como 540 mil pessoas na faixa etária de 25 a 34 anos, ou 9,2%, e 780 mil pessoas com idades entre 35 e 44 anos, perfazendo 13,3%, que procuravam psiquiatria em hospitais.

A fim de proporcionar uma oportunidade para a educação, sensibilização e defesa da saúde mental contra o estigma social, o Dia Mundial da Saúde Mental é comemorado globalmente no dia 10 de outubro de cada ano.

Nos últimos anos, a conscientização das pessoas sobre as doenças mentais tem aumentado, com atletas de ponta, como Naomi Osaka, quatro vezes campeã de tênis do Grand Slam, e Simone Biles, uma das ginastas mais condecoradas de todos os tempos, falando sobre seus problemas de saúde mental. Mas os estigmas sociais permanecem e muitas pessoas ainda têm de lidar com a situação sozinhas.

“Quando comecei a sofrer de depressão, tive medo de nunca me recuperar”, disse Hara. Durante sua licença, porém, um amigo que também havia lidado com problemas de saúde mental o ouviu falar sobre seus problemas e ele conseguiu se recuperar.

Hara tenta dar ao seu público a verdade nua e crua sobre suas experiências em seus discursos. Ele fala sobre fazer sua mãe chorar, as preocupações que seus companheiros de basquete tinham com ele e os “grandes erros” que cometeu, como tentar tirar a própria vida. No entanto, ele acredita que suas experiências o tornaram uma pessoa mais forte.

Falando aos alunos de uma escola na província de Saitama, Hara disse: “Qualquer pessoa pode ficar doente e recomeçar quantas vezes for necessário.

“Então, se você se encontrar com dificuldades (mentalmente) quando crescer, lembre-se daquela época, sobre o cara estranho que andava de bicicleta, e depois peça ajuda a alguém.”

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.