175 visualizações 3 min 0 Comentário

Hamas invadem Israel em um ataque surpresa, mais de mil mortos

- 8 de outubro de 2023

Israel foi pega de surpresa pela ambiciosa operação do Hamas contra Israel.

O ataque aconteceu no dia que antecedeu o 50o. aniversário do ataque do Egito contra a Síria em 1973.

Israel respondeu ao ataque em algumas horas, operações terrestres também serão realizadas.

Israelenses e palestinos têm se concentrado na Cisjordânia, o território entre Jerusalém e a fronteira jordaniana que Israel ocupa desde 1967, onde tem havido confrontos e violência quase contínuos ao longo do ano.

Palestinos armados, especialmente aqueles que operam nas cidades da Cisjordânia de Jenin e Nablus, têm atacado soldados israelenses e colonos judeus.

O exército israelense realizou dezenas de incursões. Colonos armados tomaram a lei em suas próprias mãos, com represálias contra vilarejos palestinos.

Nacionalistas religiosos extremistas dentro do governo de direita de Israel repetiram sua alegação de que os territórios ocupados, em sua totalidade, são terras judias.

Ninguém esperava que o Hamas concebesse e planejasse meticulosamente uma operação tão complexa e coordenada a partir de Gaza.

No final das contas, a inteligência israelense foi pega de surpresa pela operação do Hamas, que ocorreu quando os israelenses estavam relaxando ou rezando durante o fim de semana de um feriado religioso.

O Hamas afirmou que agiu devido às ameaças às mesquitas de Jerusalém. Na semana passada, alguns judeus rezaram dentro do complexo da Mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado para os muçulmanos, após Meca e Medina, na Arábia Saudita.

O mesmo local também é venerado pelos judeus, pois foi o local do antigo Templo Judaico bíblico. A oração de judeus religiosos no que eles chamam de Monte do Templo pode não parecer muito, mas é proibida por Israel, pois os palestinos consideram isso altamente provocativo.

A complexidade da operação do Hamas mostra que ela foi planejada ao longo de meses. Não foi uma resposta apressada aos eventos em Jerusalém nas últimas semanas.

O conflito entre palestinos e israelenses não tem sido uma prioridade para a administração do presidente Joe Biden em Washington DC. Eles têm tentado encontrar uma maneira de oferecer garantias de segurança à Arábia Saudita em troca de uma reaproximação com Israel.

No cerne dos problemas está o conflito centenário, intratável e não resolvido entre árabes e judeus pelo controle da terra entre o Mar Mediterrâneo e o rio Jordão. Esses eventos rapidamente escalados provam mais uma vez que o conflito não pode simplesmente ser gerenciado. Quando é deixado para ferver, a violência e o derramamento de sangue são garantidos.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.