183 visualizações 7 min 0 Comentário

Japão avança para aprovar pílula abortiva em grande mudança

- 28 de fevereiro de 2023

O Japão está mais perto de aprovar uma pílula abortiva pela primeira vez, uma medida que pode oferecer às mulheres mais opções em meio a pedidos de progresso na igualdade de gênero, com um painel secundário no Ministério da Saúde que deve tomar uma decisão já em março.

Em janeiro, um painel consultivo inicial do ministério da saúde aprovou a produção e venda do medicamento Mefeego. Ele ainda precisa da aprovação de um painel separado no ministério, pois coleta comentários públicos online até terça-feira, com a decisão final a ser tomada pelo ministro da saúde.

As pílulas abortivas são usadas no exterior há cerca de 30 anos, e mais de 70 países as disponibilizaram – a França as aprovou pela primeira vez em 1988.

A Linepharma, uma fabricante de medicamentos do Reino Unido, entrou com pedido de aprovação da cartela de comprimidos Mefeego em dezembro de 2021.

Quais métodos de aborto estão disponíveis no Japão agora?

Atualmente, a cirurgia é a única opção disponível para interromper uma gravidez no Japão.

Dois tipos de abortos cirúrgicos podem ser realizados nos estágios iniciais da gravidez – o método de dilatação e curetagem, que envolve a raspagem do útero com equipamento de metal, e a aspiração a vácuo, que envolve o conteúdo do útero sendo aspirado com um tubo.

Em 2020, 145.340 mulheres abortaram, segundo o Ministério da Saúde.

Como as pílulas abortivas seriam diferentes?

As embalagens de pílulas abortivas consistem em dois medicamentos, mifepristona e misoprostol, e devem ser tomadas por via oral nas primeiras nove semanas de gravidez, um total de 63 dias.

A mifepristona bloqueia os efeitos do hormônio feminino progesterona, que desempenha um papel importante na manutenção da gravidez. O misoprostol, por sua vez, faz com que o útero se contraia, expelindo o conteúdo do útero do corpo, impedindo a continuação da gravidez.

Ensaios clínicos mostraram que há 93,3% de chance de um aborto bem-sucedido em 24 horas, com alguns riscos e efeitos colaterais envolvendo sangramento, dor abdominal e vômito, mas a maioria foi relatada como leve ou moderada.

O que está sendo discutido sobre o preço da pílula?

Os procedimentos cirúrgicos de aborto no Japão custam de ¥ 100.000 a ¥ 200.000 (cerca de US$ 730 a US$ 1.500), enquanto o preço médio no atacado das pílulas abortivas em todo o mundo é estimado em ¥ 780 a ¥ 1.400.

No entanto, mesmo que o medicamento seja aprovado, o Mefeego não seria coberto pelo seguro nacional de saúde do Japão e precisaria ser tomado sob supervisão médica em um hospital.

Uma embalagem de comprimidos de Mifeprex, que são usados ​​para interromper a gravidez precoce |  REUTERS
Uma embalagem de comprimidos de Mifeprex, que são usados ​​para interromper a gravidez precoce | REUTERS

Em janeiro, o Ministério da Saúde explicou que as mulheres que tomassem a pílula precisariam ser hospitalizadas ou passar por pelo menos duas consultas, com ambas as doses tomadas em uma instituição médica.

Exigir hospitalização significaria que os custos médicos para Mefeego podem se tornar mais altos do que fazer um aborto cirúrgico, levando alguns a questionar se o desenvolvimento realmente expandirá as opções para as mulheres.

Grupos de cidadãos como a Professional Women’s Coalition for Sexuality and Health, uma organização que inclui profissionais médicos, pesquisadores e assistentes sociais, e o Safe Abortion Japan Project, um grupo voluntário de obstetras e ginecologistas, enviaram pedidos oficiais ao ministério da saúde para reduzir as taxas para o pílula abortiva – com o último envolvendo 68.000 assinaturas online – ambos citando problemas de acessibilidade devido ao custo.

A pílula marca um passo importante para o direito ao aborto?

A Lei de Saúde Materna do Japão, que exige o consentimento do cônjuge para o aborto, tem sido vista como outro fator que impede as mulheres de fazerem suas próprias escolhas. De acordo com o ministério da saúde, este regulamento também se aplicará às pílulas abortivas assim que forem aprovadas. Como no caso de abortos cirúrgicos, as únicas exceções seriam se o cônjuge não fosse conhecido ou não pudesse expressar sua intenção.

Embora o ministério da saúde tenha dito que o consentimento do parceiro é desnecessário para mulheres solteiras ou mulheres engravidadas por estupro, muitos médicos ainda exigem o consentimento de um homem por medo de quaisquer repercussões legais, mesmo que não seja exigido por lei.

Embora a aprovação da pílula abortiva possa sinalizar progresso para os direitos reprodutivos das mulheres, as discussões sobre preço, hospitalização e consentimento ainda estão sendo debatidas entre o público como fatores que afetam o acesso à droga.

Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.
Comentários estão fechados.