160 visualizações 2 min 0 Comentário

Japão cria máquina que simula terremoto por 400 milhões de ienes

- 13 de setembro de 2023

TSUKUBA, PREF. IBARAKI – 

O Instituto Nacional de Pesquisa para Ciências da Terra e Resiliência a Desastres mostrou na terça-feira à mídia um teste de simulação de terremoto usando uma máquina de teste de última geração.

O instituto espera que a máquina ajude a descobrir o mecanismo dos terremotos em um ambiente natural, a fim de prever grandes terremotos, como os previstos para ocorrer na placa Nankai, que corre ao longo da costa do Pacífico, do centro ao sudoeste do Japão.

A máquina, considerada a maior do mundo, pesa cerca de 200 toneladas e consiste em duas lajes de rocha empilhadas, uma com 7,5 metros de comprimento e outra com 6 metros de comprimento. Ele usa macacos hidráulicos para aplicar força nas superfícies superior e lateral das duas rochas, esfregando-as uma contra a outra, replicando assim o deslizamento das falhas.

Foi concluído em agosto a um custo de cerca de ¥ 400 milhões, segundo o instituto em Tsukuba, província de Ibaraki.

No experimento de terça-feira, cerca de 300 toneladas de força foram aplicadas do topo e cerca de 120 toneladas da lateral das rochas empilhadas, reproduzindo cerca de 100 deslizamentos à medida que as rochas se moviam umas contra as outras por um centímetro.

Em um cenário de terremoto na placa Nankai, que deverá causar graves danos, diz-se que um tremor com uma magnitude de cerca de 8 ocorrendo no lado leste ou oeste da região focal esperada tem grande probabilidade de desencadear outro grande terremoto em outras partes da região. .

Ao usar a máquina para simular terremotos realistas, o instituto espera obter uma melhor compreensão do mecanismo por trás dos terremotos e de suas reações em cadeia.

“Queremos usar o conhecimento obtido nas simulações para pesquisas de previsão de terremotos”, disse Futoshi Yamashita, pesquisador sênior envolvido no desenvolvimento da máquina.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.