130 visualizações 3 min 0 Comentário

Japão estuda liberar a água radioativa represada desde 2011

- 20 de agosto de 2023

O primeiro-ministro Fumio Kishida se reunirá com seus ministros na terça-feira para discutir quando irá liberar a água radioativa tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, disse uma fonte do governo no sábado, em meio à oposição de pescadores locais e de alguns países vizinhos.

Kishida visitará a província de Fukushima no domingo para inspecionar o complexo, disse ele na sexta-feira em Washington depois de realizar uma cúpula trilateral com os Estados Unidos e a Coréia do Sul.

“Acredito que chegamos à fase final em que o governo deve tomar uma decisão com base em considerações abrangentes” de questões como minimizar o impacto possível na pesca, ele disse a repórteres.

O Japão está considerando iniciar a liberação de água da usina nuclear de Fukushima entre o final de agosto e o início de setembro, disseram fontes do governo anteriormente.

Quantidades maciças de água contaminada foram geradas no processo de resfriamento do combustível derretido do reator depois que a usina foi devastada pelo terremoto e tsunami de 2011.

A água foi mantida em tanques após passar pelo avançado sistema de processamento de líquidos que remove a maioria dos radionuclídeos, exceto o trítio, mas os vasos de armazenamento estão se aproximando da capacidade. Sabe-se que o trítio é menos prejudicial que outros materiais radioativos, como césio e estrôncio.

Os pescadores locais e alguns países vizinhos permanecem opostos ao plano, com a China introduzindo testes de radiação geral em frutos do mar japoneses.

No final de julho, cerca de 1,34 milhão de toneladas de água tratada foram armazenadas em tanques no complexo nuclear de Fukushima, atingindo 98% da capacidade de armazenamento, segundo o operador da usina, Tokyo Electric Power Company Holdings Inc.

A água tratada com quantidades vestigiais de trítio será diluída para 1/40 da concentração permitida pelas normas de segurança japonesas antes de ser liberada através de um túnel subaquático a 1 km da usina.

Durante sua visita a Fukushima, Kishida inspecionará as instalações e provavelmente também se encontrará com representantes de associações de pesca que expressaram preocupação com os possíveis danos à reputação de seus produtos de frutos do mar.

O governo está pensando em liberar a água desde que a Agência Internacional de Energia Atômica disse em seu relatório final no mês passado que a descarga planejada estaria em conformidade com os padrões globais de segurança.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.