150 visualizações 4 min 0 Comentário

Japão não reconhece a união homoafetiva para efeito de visto

- 3 de novembro de 2023

O Tribunal Superior de Tóquio manteve na quinta-feira uma decisão de um tribunal inferior de não conceder um status residencial estável a um americano com um parceiro japonês do mesmo sexo, mas disse que era problemático não conceder aos parceiros do mesmo sexo o mesmo status que os casais casados.

O caso civil centra-se na questão de saber se um cidadão estrangeiro numa parceria entre pessoas do mesmo sexo com um cidadão japonês deve receber o “estatuto de residente de longa duração”, que permite a residência por até cinco anos no Japão. 

Embora a decisão do tribunal superior tenha dito que não ter um quadro jurídico que conceda o mesmo estatuto residencial que os casais casados ​​a parceiros do mesmo sexo poderia “ser um problema” nos termos do Artigo 14, que garante a igualdade perante a lei, isso por si só não poderia ser considerado discriminatório com base baseada na preferência sexual e, portanto, não pode ser considerada inconstitucional.

Os demandantes e seus advogados ficaram insatisfeitos com a decisão, dizendo que a diferença de tratamento entre casais do mesmo sexo de cidadãos estrangeiros e casais do mesmo sexo de cidadãos japoneses e estrangeiros é injusta.

“A coisa mais decepcionante da decisão é que eles não consideraram os direitos de Kohei como cidadão japonês e que ele está sendo tratado de forma diferente”, disse Andrew High, um dos demandantes, em entrevista coletiva após a decisão.

Os demandantes – um cidadão japonês que apenas revelou seu primeiro nome como Kohei, e High, um americano – se casaram nos EUA em 2015. Devido a circunstâncias pessoais, eles decidiram construir uma vida no Japão.

High havia estabelecido uma empresa no Japão em 2014, antes do casamento, e tinha visto para empreendedores. No entanto, sua empresa faliu, impossibilitando-o de renovar o status do visto.

De 2018 a 2019, High solicitou inúmeras vezes a mudança do seu estatuto de residente de curta duração para um estatuto de residente de longa duração mais estável. Seu pedido, no entanto, foi negado com base no fato de serem um casal do mesmo sexo e de nacionalidades diferentes.

Em 2019, o casal entrou com uma ação buscando anular a decisão e buscando indenização estatal por danos contra o estado e o Departamento de Imigração.

Em 2022, o Tribunal Distrital de Tóquio decidiu que não conceder o estatuto de residência com base na categoria de “atividades designadas” a casais do mesmo sexo é inconstitucional. A não concessão do estatuto de residente de longa duração, no entanto, foi considerada inconstitucional.

No início deste ano, High recebeu um status de atividades designadas que lhe permite permanecer por até um ano, mas limita o horário de trabalho a até 28 horas por semana.

Anteriormente, High tinha um visto temporário e, embora esses vistos não garantissem renovação, ele poderia renovar a cada 90 dias enquanto estava em processo judicial.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.