490 visualizações 12 min 0 Comentário

Japoneses prestes a serem vacinados contra a Covid-19

- 5 de fevereiro de 2021

O lançamento da vacina no Japão está programado para começar em menos de duas semanas. Mas com a implantação em outros países, incluindo os EUA, não indo tão bem quanto as autoridades gostariam, há preocupações de que possa ser caótico para o Japão também.

O lançamento no Japão é o último entre as nações do Grupo dos Sete, com o Ministério da Saúde definido para aprovar formalmente a vacina de mRNA da farmacêutica norte-americana Pfizer Inc., desenvolvida em conjunto com a BioNTech SE da Alemanha, em 15 de fevereiro.

A administração do primeiro-ministro Yoshihide Suga visa garantir vacinas suficientes para cobrir todos os residentes até o final de junho. O governo não deu um cronograma para vacinações além das destinadas aos idosos a partir de 1º de abril, mas um número crescente de governos locais, incluindo a Prefeitura de Osaka, está planejando completar a vacinação de todos os residentes dispostos até o final de setembro.

Aqui está uma olhada no plano de implantação, incluindo para residentes estrangeiros no Japão, e alguns dos desafios que existem na configuração da logística para uma entrega eficaz:

Qual é o cronograma para o lançamento?

O governo está planejando fornecer vacinas gratuitas contra o coronavírus para todos os residentes com 16 anos ou mais. Cerca de 10.000 a 20.000 profissionais de saúde da linha de frente em cerca de 100 hospitais públicos serão vacinados primeiro, seguidos por mais 3,7 milhões de profissionais de saúde. Os tíquetes de vacinação devem ser enviados para cerca de 36 milhões de pessoas com 65 anos ou mais na segunda quinzena de março, com as vacinas previstas para começar a partir de abril, de acordo com um cronograma do governo.

Outros grupos prioritários incluem 8,2 milhões de pessoas com doenças crônicas, 2 milhões de trabalhadores de enfermagem para idosos e 7,5 milhões de pessoas com idade entre 60 e 64 anos. A vacinação para o público em geral está prevista para começar em julho. O governo assinou contratos com a Pfizer Inc., a empresa farmacêutica americana Moderna Inc. e a farmacêutica britânica AstraZeneca PLC para um total de 314 milhões de doses.

A AstraZeneca entrou com um pedido de aprovação rápida de sua vacina com o Ministério da Saúde na sexta-feira, enquanto a aprovação da vacina Moderna é improvável até maio.

O que poderia atrasar o lançamento da vacina?

Uma das preocupações são as restrições às exportações na Europa. Enfrentando graves deficiências de vacinas, a União Europeia anunciou na semana passada controles de exportação de vacinas contra o coronavírus, exigindo que os fabricantes de medicamentos obtenham autorização de exportação, priorizando assim os embarques para países da UE. A AstraZeneca, que assinou um contrato para fornecer 120 milhões de doses ao Japão, deveria exportar 30 milhões de doses ao Japão até o final de março, mas Taro Kono, o ministro responsável pela campanha de vacinação, expressou preocupação com atrasos na entrega. A empresa está considerando fabricar as doses restantes no Japão.

O governo está tomando as providências finais para que o primeiro lote de vacinas da Pfizer chegue ao Japão da Bélgica já em 14 de fevereiro, informaram relatórios locais, mas o governo não tornou essas informações públicas devido a preocupações com circunstâncias inesperadas, como atos do terrorismo.

Garantir o armazenamento das vacinas, que precisam ser mantidas em baixa temperatura, também pode ser um problema.

O governo garantiu 20.000 freezers para armazenar vacinas, e a distribuição de freezers para armazenar a vacina da Pfizer, que precisa ser mantida a 75 graus Celsius negativos, começou esta semana. O governo planeja distribuir 3.370 freezers para vacinas da Pfizer até o final de março, mas nenhum plano para instalar freezers para vacinas Moderna foi definido até agora.

Os residentes estrangeiros no Japão serão elegíveis para as vacinas?

Qualquer estrangeiro registrado no município local receberá um boleto de vacinação.

“Expatriados e outros residentes estrangeiros no Japão registrados em um município de residência e diplomatas são elegíveis para a vacinação COVID-19”, disse Kono no Twitter, acrescentando que o questionário de inoculação será traduzido para vários idiomas.

Os residentes estrangeiros com 65 anos ou mais estarão na mesma lista de prioridades que os japoneses nessa faixa etária e devem começar a receber os tíquetes de vacinação a partir de meados de março, disse Shigenori Doi, gerente de implantação de vacinas do distrito de Minato em Tóquio. A ala abriga cerca de 19.000 residentes estrangeiros e tem uma das maiores porcentagens de residentes estrangeiros no Japão, com 7,2%.

Uma vez recebidos, eles precisariam fazer reservas via smartphone, PC ou contatando uma central de atendimento. A instrução provavelmente não será escrita em vários idiomas, mas as pessoas que falam inglês, chinês ou coreano serão enviadas para o call center, disse Doi.

Enquanto isso, aqueles que não estão registrados em seu município precisarão entrar em contato com o governo local.

“Há uma população considerável de diplomatas no distrito de Minato que não têm um certificado de residência devido ao seu privilégio diplomático”, disse ele. “Mas se vierem até nós e fizerem um pedido, iremos providenciar as vacinas assim que for feita a confirmação da residência.”

Onde será possível ser vacinado?

Em princípio, as pessoas elegíveis precisam obter as fotos na cidade onde registraram seu endereço. Mas os trabalhadores da empresa ou estudantes que moram fora de casa ou pessoas hospitalizadas fora de seu município podem pedir à sua cidade ou município atual para tomar as vacinas lá se for difícil voltar para casa.

Alguns governos locais, como o distrito de Shinagawa, em Tóquio, estão tomando providências para garantir grandes locais para vacinações em massa que forneçam espaço suficiente para as pessoas permanecerem por 15 a 30 minutos. As reações mais graves, conhecidas como anafilaxia, começam a manifestar sintomas meia hora após a vacinação.

Enquanto isso, a ala Nerima em Tóquio vem ganhando atenção nacional por seu plano de administrar as vacinas principalmente em consultórios de atenção primária. Um alto funcionário do governo disse que o modelo de Nerima poderia ser um exemplo a ser seguido por muitos municípios em todo o país, pois permitiria que os residentes recebessem as vacinas dos médicos de família mais rapidamente porque eles já estão familiarizados com as condições crônicas existentes.

Quem deve e não deve tomar as vacinas?

Qualquer pessoa com menos de 16 anos é excluída do programa de vacinação. O governo não recomenda administrar vacinas a pessoas com histórico de reações alérgicas à vacinação, pois são consideradas de maior risco para reações adversas.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que as mulheres grávidas evitem tomar a vacina devido à falta de dados suficientes nos ensaios clínicos, enquanto o Japão não estabeleceu uma diretriz clara para mulheres grávidas até agora. Porém, devido ao risco maior de sofrerem sintomas graves de COVID-19, o governo provavelmente não irá removê-los categoricamente do programa, mas, em vez disso, recomenda cautela ao inoculá-los, relatou o Mainichi Shimbun.

A Sociedade Japonesa de Obstetrícia e Ginecologia pediu que as mulheres grávidas não fossem retiradas da campanha de vacinação, em vez disso, recomendou que evitassem as injeções durante o primeiro trimestre.

Duas injeções são necessárias para as vacinas desenvolvidas pela Pfizer, Moderna e AstraZeneca em um intervalo de algumas semanas. Como o governo acompanhará o andamento da campanha de vacinação e garantirá que as vacinas sejam aplicadas em intervalos corretos?

O governo tem trabalhado muito para instalar um novo banco de dados uniforme de vacinações contra o coronavírus que tenha dados em tempo real sobre os detalhes das vacinas que as pessoas recebem, com base no código QR no cupom de vacinação e no My Number de 12 dígitos único emitido para cada residente no Japão, incluindo cidadãos estrangeiros. O sistema ajudará, por exemplo, a enviar alertas para as pessoas que não comparecerem para receber uma segunda dose, informaram os relatórios locais.

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Tóquio
Jonathan Miyata