101 visualizações 3 min 0 Comentário

Kishida sai da sessão parlamentar com os principais objetivos alcançados

- 21 de junho de 2023

Crédito: Japan Times – 21/06/2023 – Quarta

A sessão anual do Parlamento, que chegou ao fim na quarta-feira após 150 dias de debates, transcorreu sem grandes problemas para o governo, que conseguiu aprovar peças-chave da legislação, apesar da resistência às vezes veemente da oposição.

Dos 60 projetos de lei apresentados, 58 se tornaram lei, uma taxa de aprovação de 96,7% – uma pequena queda em relação à sessão equivalente do ano passado, quando todos os 61 projetos receberam a aprovação do parlamento.

Kishida entrou em 2023 em uma posição precária , com seus índices de aprovação logo acima da zona de perigo depois que foi forçado a demitir quatro de seus ministros, enquanto os laços de seu partido com a Igreja da Unificação lhe causaram dores de cabeça adicionais.

No entanto, ao longo dos quase cinco meses desde o início das deliberações parlamentares, seu Partido Liberal Democrata provou ser capaz de resolver questões de importância crítica para o governo – em parte graças a uma oposição sempre fragmentada.

Um aumento nos gastos com defesa, uma das prioridades de Kishida, esteve no centro do discurso político do primeiro-ministro durante o primeiro debate no parlamento e foi amplamente condenado pelos partidos da oposição. Eles acusaram o governo de falta de transparência sobre como planejava financiar o aumento – ainda uma questão não resolvida, depois que qualquer debate sobre um aumento de impostos foi adiado pelo governo.

Em maio, o Partido Democrático Constitucional do Japão (CDP), o maior partido da oposição no parlamento, apresentou uma moção de desconfiança contra o ministro das Finanças, Shunichi Suzuki, apoiado pelo Partido Comunista Japonês (JCP) e Reiwa Shinsengumi, culpando-o por uma lei eles descreveram como estando além da capacidade financeira do Japão. A moção foi rejeitada pelos partidos no poder, bem como pelo Partido Democrático do Povo (DPP) e Nippon Ishin no Kai, ambos partidos da oposição.

Nas últimas semanas de debates, a coalizão governista conseguiu aprovar um projeto de lei sobre gastos com defesa , permitindo ao governo garantir recursos para aproximar o país da meta de gastar 2% do produto interno bruto, após o teto de 1% ter sido mantido por muitos anos.

Foto: Japan Times (O primeiro-ministro Fumio Kishida fala na Universidade de Waseda, em Tóquio, no domingo. | BLOOMBERG)

Comentários estão fechados.