157 visualizações 4 min 0 Comentário

Japão cai nove posições para 125º no relatório de desigualdade de gênero do FEM

- 21 de junho de 2023

Crédito: Japan Times – 21/06/2023 – Quarta

O Japão caiu no ranking global de desigualdade de gênero, ficando nove posições abaixo do ano passado, em 125º lugar entre 146 países, de acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial divulgado na quarta-feira.

O relatório da organização suíça mostrou que a participação das mulheres nas arenas política e econômica teve uma pontuação particularmente baixa em comparação com outras nações, ficando em 138º e 123º, respectivamente. No entanto, o acesso das mulheres à educação e aos cuidados de saúde teve uma pontuação alta.

A participação feminina na política situou-se em 5,7%, com 10% dos legisladores parlamentares e 8,3% dos ministros sendo mulheres, enquanto nunca houve uma primeira-ministra.

A igualdade de gênero na arena econômica mostrou uma melhora, com a paridade na renda estimada do trabalho aumentando 1,1% desde o ano passado. Segundo o relatório, 54,2% das mulheres estão na força de trabalho e 12,9% dos executivos seniores são mulheres.

O Japão foi mais uma vez a nação com classificação mais baixa no Grupo dos Sete, abaixo da Itália, que ficou em 79º lugar geral. Os Estados Unidos ficaram em terceiro lugar na última posição no G7 e 43º no geral.

A Islândia ficou em primeiro lugar pelo 14º ano consecutivo, com a Noruega e a Finlândia em segundo e terceiro lugar, respectivamente.

O Fórum Econômico Mundial pediu aos países que intensifiquem seus esforços em relação à igualdade, pois levará 131 anos para fechar a lacuna geral de gênero globalmente e 162 anos na área política.

O secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, disse na quarta-feira que o Japão planeja pressionar agressivamente pela participação das mulheres na sociedade, especialmente na política, em resposta ao baixo desempenho do Japão no relatório.

A divulgação dos rankings de disparidade de gênero ocorre quando Katsuaki Kamiji, prefeito de Yokosuka, na província de Kanagawa, enfrenta uma reação negativa devido a comentários discriminatórios sobre as mulheres.

“Provavelmente existe uma longa história de opressão embutida no DNA e nas mitocôndrias das mulheres, e o ressentimento e a angústia dessa história provavelmente moldam nossa sociedade atual”, disse Kamiji durante uma reunião em 8 de junho .

Um grupo de mulheres com menos de 30 anos que nasceram ou moram há muito tempo em Yokosuka iniciou uma petição online na segunda-feira, atraindo mais atenção para o comentário. Eles exigiram que o prefeito se desculpasse e retirasse seu comentário, bem como organizasse um treinamento de gênero e diversidade.

“Foi altamente irresponsável fazer (tais) declarações infundadas e não científicas”, disse uma funcionária de escritório de 27 anos pertencente ao grupo, que optou por não divulgar seu nome.

A petição reuniu mais de 1.000 assinaturas e o grupo a apresentou à prefeitura de Yokosuka na quarta-feira.

No mesmo dia, Kamiji se desculpou em entrevista coletiva, dizendo que não era sua intenção discriminar as mulheres.

“Gostaria de pedir desculpas por qualquer desconforto causado pela minha falta de consideração”, disse Kamiji. “Vamos levar esse assunto muito a sério e usá-lo como referência para a gestão futura da prefeitura.”

Foto: Japan Times (Uma reunião sobre igualdade de gênero é realizada no gabinete do primeiro-ministro em Tóquio em 5 de junho. | KYODO)

Comentários estão fechados.