165 visualizações 5 min 0 Comentário

Lai se declara inocente, promotoria cita conluio com estrangeiro

- 4 de janeiro de 2024

HONG KONG – O magnata de Hong Kong e defensor pró-democracia Jimmy Lai se declarou inocente na terça-feira em seu julgamento histórico, onde é acusado de pôr em perigo a segurança nacional da China, enquanto os promotores expunham detalhes do que disseram ser conluio com forças estrangeiras.

Lai, um dos principais críticos do Partido Comunista Chinês, enfrenta duas acusações de conspiração para conluio com forças estrangeiras – incluindo o pedido de sanções contra Hong Kong e autoridades chinesas – ao abrigo de uma lei de segurança nacional imposta pela China.

“Inocente”, disse Lai três vezes à medida que cada acusação era lida, parecendo calmo enquanto estava sentado em uma doca de vidro cercado por guardas e em um tribunal cheio de apoiadores e diplomatas estrangeiros.

Lai, de 76 anos, fundador do agora fechado jornal pró-democracia Apple Daily, também é acusado de conspiração para publicar publicações sediciosas. A pena pedido pela promotoria é de prisão perpétua.

As democracias ocidentais, incluindo os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a União Europeia, estão a observar de perto, com o julgamento a surgir como um ponto de conflito diplomático e um teste fundamental para a independência judicial e as liberdades de Hong Kong ao abrigo da abrangente Lei de Segurança Nacional que a China impôs em 2020.

Depois de uma maratona de processos judiciais que se estenderam por mais de três anos desde que Lai foi preso, a promotoria delineou pela primeira vez no tribunal os principais detalhes do caso, incluindo reuniões com figuras importantes da antiga administração do presidente dos EUA, Donald Trump, que, segundo eles, eram provas de que ele era conivente às forças estrangeiras.

Conexões nos EUA

O promotor Anthony Chau disse aos três juízes do tribunal superior que Lai era “uma figura radical” que conspirou com outros para trazer “ódio e incitar a oposição” contra Hong Kong e as autoridades chinesas.

Em um gráfico exibido no tribunal, uma foto de Lai foi mostrada ao lado de imagens de Trump, do vice-presidente Mike Pence e do ex-secretário de Estado Mike Pompeo. Outros, incluindo a ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, também foram mostrados, bem como indivíduos em Taiwan.

“Sob o pretexto de lutar pela liberdade e pela democracia”, disse Chau, Lai tinha desde junho de 2019 feito pedidos a países estrangeiros, em particular aos Estados Unidos, para imporem sanções contra os governos chinês e de Hong Kong.

Washington impôs várias rondas de sanções a Hong Kong e às autoridades chinesas, incluindo o Chefe do Executivo de Hong Kong, John Lee, depois de uma lei de segurança nacional imposta pela China ter sido promulgada em Junho de 2020.

Apple Diário

Lai foi acusado de conspirar com diversas empresas e seis ex-executivos ligados ao Apple Daily, incluindo o cidadão norte-americano Mark Simon, para produzir publicações sediciosas e conspirar com forças estrangeiras.

Chau alegou que Lai “agiu em conjunto com, entre outros, a alta administração de sua empresa e orquestrou uma conspiração com o … grupo de defesa da liberdade ‘Fique com Hong Kong, Lute pela Liberdade'”.

Outras figuras apontadas pela acusação como partes numa conspiração incluem o ativista de Hong Kong Finn Lau, o financista e ativista Bill Browder, e Luke de Pulford, um ativista dos direitos humanos baseado na Grã-Bretanha e chefe da Aliança Interparlamentar para a China.

Tanto os Estados Unidos como a Grã-Bretanha pediram a libertação imediata de Lai, dizendo que o seu julgamento tem motivações políticas.

As autoridades de Hong Kong contestam as alegações de que Lai não desfrutará de um julgamento justo, dizendo que todos são iguais perante a lei e que a lei de segurança nacional trouxe estabilidade a Hong Kong após protestos em massa em 2019.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.