168 visualizações 8 min 0 Comentário

Mais uma semana ruim para o direito ao aborto na América

- 25 de maio de 2023

Crédito: Japan Times – 25/05/2023 – Quinta

Já se passaram quase 11 meses desde que a Suprema Corte dos EUA anulou Roe v. Wade e o acesso ao aborto continua piorando.

Só na semana passada vimos vários novos desenvolvimentos alarmantes. A proibição do aborto por seis semanas avançou (novamente) na Carolina do Sul. Legislaturas na Carolina do Norte e Nebraska aprovaram medidas que proíbem o aborto em 12 semanas. Enquanto isso, a legalidade da pílula abortiva mifepristona foi duramente questionada em uma audiência no Tribunal de Apelações do 5º Circuito, um tribunal federal na Louisiana.

Esses eventos, que se estendem do Deep South às Grandes Planícies, são lembretes claros de por que legisladores e juízes não deveriam interferir nas decisões médicas das mulheres. Mesmo que pudéssemos deixar de lado as questões fundamentais de privacidade, liberdade e autonomia corporal – o que não podemos – é claro que muitos funcionários do governo não entendem como funciona a gravidez, as razões pelas quais algumas mulheres procuram abortos após 12 semanas ou como os médicos cuidam para pacientes que precisam interromper a gravidez.

A proibição de seis semanas aprovada pela Câmara da Carolina do Sul mostra que os legisladores ainda não ouviram o que a Suprema Corte estadual disse a eles em janeiro: que as proibições de seis semanas violam a constituição do estado porque não dão às mulheres tempo suficiente para ambos percebem que estão grávidas e tomam medidas para interromper a gravidez, se assim o desejarem. Cerca de 1 em cada 3 mulheres não percebem que estão grávidas até depois de seis semanas.

As proibições de 12 semanas que avançaram em Nebraska e na Carolina do Norte são posicionadas por seus apoiadores republicanos como moderadas. Mas eles são apenas moderados em seu tratamento do aborto como um futebol político. Medicamente, não há nada de moderado em um limite de 12 semanas.

Considere a proibição da Carolina do Norte, que foi aprovada pelo veto do governador. Além de proibir a maioria dos abortos após 12 semanas (6,3% de todos os abortos no estado), impõe períodos de espera mais longos, consultas médicas adicionais e resmas de nova papelada. Embora a lei abra exceções para estupro, anormalidades fetais que “limitam a vida” e a vida da pessoa grávida, na prática é difícil imaginar um médico enfrentando uma emergência médica passando por uma lista de verificação legal de estipulações – para não mencionar um paciente em aflição rubricando cada parte do termo de consentimento, conforme exigido por lei. É assim que partidários, não médicos, abordam a medicina.

Mais flagrantemente, um painel de três juízes do 5º Circuito questionou o perfil de segurança muito claro do mifepristona – agora usado para a maioria dos abortos nos EUA – e parecia repetidamente não entender como ele é dispensado. Eles também pareciam estar totalmente à vontade para desafiar a experiência dos cientistas da Food and Drug Administration, uma posição que ficou clara quando o juiz James Ho, nomeado pelo ex-presidente Donald Trump, disse à advogada do Departamento de Justiça Sarah Harrington para “focar nos fatos desta caso, em vez de ter esse tipo de tema ‘FDA-não-pode-fazer-errado’. E, no entanto, nenhum dos três juízes também parece ter uma boa compreensão dos fatos.

O colega de Ho no tribunal, o juiz Cory Wilson, sugeriu que as recentes mudanças do FDA que permitem que o mifepristone seja prescrito por correspondência ou por um provedor que não seja um médico (por exemplo, por uma enfermeira ou parteira) tornaria mais provável que os pacientes precisassem cuidado de emergência. Sob a lógica de Wilson, isso poderia colocar os médicos de emergência que se opõem ao aborto na posição de ter que participar da interrupção da gravidez.

No entanto, não há evidências de que esses pacientes acabem no pronto-socorro com mais frequência ou que o aborto medicamentoso seja inseguro.

As complicações surgiram em menos de 1% dos usuários que tomam uma combinação de mifepristona e misoprostol. (Os demandantes alegaram que o número é muito maior – em uma faixa de 2% a 7%.) Na maioria desses casos, as mulheres não precisam de cirurgia e não correm sérios riscos. Seus abortos são apenas incompletos e o tratamento usual seria uma segunda rodada de comprimidos, tomados em casa, obtidos do mesmo médico que prescreveu a primeira dose. Essas pacientes não precisam ir ao pronto-socorro – nem se entregam à mercê de médicos que se opõem ao aborto. De fato, mais pessoas são admitidas no pronto-socorro todos os anos por complicações do Viagra do que pelo mifepristona.

A FDA tem sido tudo menos arrogante em sua abordagem para prescrever e dispensar as pílulas. De fato, a agência tem sido excessivamente cautelosa, falhando em reconhecer resmas de dados que apóiam o uso menos restritivo. As diretrizes atuais continuam a tratar a mifepristona e o misoprostol como se fossem drogas perigosas, exigindo que as farmácias que aviam prescrições solicitem uma licença especial. Mas as evidências mostram que essas pílulas são mais seguras que o Tylenol.

Os procedimentos no 5º Circuito foram um lembrete preocupante de que os tribunais, sem perícia médica, sentem-se livres para interpretar os dados de uma forma que prejudica a autoridade do FDA. Isso é perigoso para o acesso ao aborto e pode representar uma ameaça à inovação farmacêutica nos EUA.

A gravidez é arriscada para muitas mulheres – como é evidente pela terrível – e piora – taxa de mortes maternas nos Estados Unidos. Infelizmente, é improvável que se torne mais seguro em um país onde tantos formuladores de políticas pretendem dificultar a obtenção de cuidados reprodutivos abrangentes.

Foto: Japan Times (Apoiadores do direito ao aborto protestam em Raleigh, Carolina do Norte, em 13 de maio. | REUTERS)

Comentários estão fechados.