O primeiro caso no Japão envolvendo uma nova mutação da variante delta altamente contagiosa do coronavírus – da qual apenas oito casos foram relatados até agora em todo o mundo – foi confirmado, de acordo com pesquisadores.

Uma equipe de pesquisa da Tokyo Medical and Dental University, chefiada pelo professor associado Hiroaki Takeuchi, anunciou na segunda-feira em um comunicado que o primeiro caso dessa sub-linhagem variante delta foi confirmado em um paciente do COVID-19 em meados de agosto.

Com base na análise do genoma, “é altamente provável que o último caso tenha sofrido mutação domesticamente”, disseram os pesquisadores, acrescentando que o paciente não tinha histórico de viagens ao exterior.

O último caso contém a mutação N501S, que é semelhante à mutação na variante alfa conhecida como N501Y, identificada pela primeira vez na Grã-Bretanha no ano passado. Pelo menos uma dúzia de submutações da variante delta foram confirmadas em todo o mundo até agora, em países como Índia e Israel, de acordo com relatos da mídia.

Quando um paciente é infectado com uma variante do coronavírus portadora da mutação N501Y, ele tem um risco maior de infecção secundária, bem como de desenvolver sintomas graves e morrer. Devido às semelhanças entre o N501Y e o N501S, os pesquisadores acreditam que os pacientes infectados com o N501S podem enfrentar um prognóstico semelhante.

Mais pesquisas são necessárias para confirmar o quão potente a nova mutação é comparada com a variante delta original, eles disseram.

A mutação foi confirmada através da análise do genoma coletado de pacientes COVID-19 tratados na Tokyo Medical and Dental University.

A análise também mostrou que os pacientes com a variante delta aumentaram rapidamente entre o final de junho e o final de julho devido à disseminação na comunidade.

Atualmente, a variante delta está se tornando dominante no Japão. De acordo com os dados mais recentes do ministério da saúde, 1.046 novos casos da variante delta foram encontrados em 17.701 casos COVID-19 selecionados para o rastreamento da variante na semana de 16 de agosto.

Separadamente, os pesquisadores também concluíram que pelo menos duas sublinhas da variante delta – AY.4 e B.1.617.2 – podem ter existido no Japão em julho. Mas agora, eles detectam apenas a cepa B.1.617.2 da variante delta.

A primeira infecção com a variante delta no Japão foi descoberta em 20 de abril. Delta foi classificada como uma das quatro variantes de preocupação pela Organização Mundial da Saúde e rapidamente ultrapassou outras versões em algumas partes do Japão – agora estima-se que representam 95% de todos os casos em Tóquio.

Com a variante delta representando uma parcela crescente de casos no Japão, o número de pacientes com 19 anos ou menos está aumentando, disse um painel do ministério da saúde sobre o coronavírus na semana passada, pedindo às escolas que tomem medidas apropriadas para prevenir a disseminação de infecções.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos acreditam que a variante delta é tão transmissível quanto a varicela e cerca de duas vezes mais contagiosa que as variantes anteriores.

O estudo foi conduzido em conjunto por especialistas em virologia e doenças infecciosas da Escola de Graduação em Ciências Médicas e Odontológicas afiliada à Universidade de Medicina e Odontologia de Tóquio, ao Laboratório de Análise de Genoma do Instituto de Pesquisa de Doenças Intratáveis ​​e ao Hospital Universitário de Tohoku.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão Tóquio

Jonathan Miyata

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here