121 visualizações 4 min 0 Comentário

Nova Lei de Imigração do Japão Levanta Preocupações Entre Refugiados

- 11 de junho de 2024

Deportação de Refugiados: Novas Regras e Seus Efeitos Saiba como a nova lei afeta aqueles que buscam asilo no Japão.

Tóquio (Jiji Press) – A recente revisão da lei de controle de imigração e reconhecimento de refugiados do Japão, que entrou em vigor na segunda-feira, gerou preocupações significativas entre aqueles que enfrentam a possibilidade de deportação sob as novas regulamentações.

A lei revisada introduz mudanças substanciais nas regras de detenção e repatriação de estrangeiros sem estatuto de residente. Agora, o governo pode deportar indivíduos que tenham solicitado o estatuto de refugiado três vezes ou mais, mesmo enquanto seus pedidos estão sendo processados, a menos que apresentem um motivo válido.

Myo Kyaw Kyaw, de 38 anos, membro da minoria muçulmana Rohingya perseguida em Mianmar, expressou sua angústia: “Não haverá garantia de vida se eu regressar”. Ele busca o estatuto de refugiado no Japão desde que fugiu de Mianmar, onde se envolveu no movimento de democratização após tomar conhecimento dos problemas com o regime militar do país durante o ensino médio. Ele e sua família enfrentaram perigos significativos.

Desde sua chegada ao Japão em 2006, Myo Kyaw Kyaw solicitou três vezes o status de refugiado, mas todos os seus pedidos foram rejeitados. Insatisfeito com as decisões, ele apelou a uma organização relacionada com a Agência de Serviços de Imigração do Japão para o reconhecimento de refugiados, mas ainda não obteve uma resposta positiva. Ele teme pela sua vida se for deportado de volta a Mianmar.

Myo Kyaw Kyaw relatou que um conhecido, também solicitante de reconhecimento de refugiado pela terceira vez, está desesperado com a nova lei “estrita”, chegando a expressar desejo de morrer durante uma conversa telefônica.

Outro caso é o de um homem de 61 anos dos Camarões, que chegou ao Japão em 2012. Ele afirmou que solicitar o estatuto de refugiado é um direito humano. Envolvido em um movimento operário em seu país natal, ele confrontou o governo ao apelar pela eliminação do trabalho não remunerado. Após a morte de um colega e para escapar da perseguição governamental, ele fugiu para o Japão.

Seus dois pedidos de estatuto de refugiado foram rejeitados. Ele foi detido em um centro de imigração por dois anos a partir de 2018, quando se inscreveu pela segunda vez. Ele descreveu seu tempo na instalação como mentalmente exaustivo, comparando-a a uma prisão.

Em novembro de 2018, enquanto estava detido, ele entrou com uma ação judicial no Tribunal Distrital de Tóquio, exigindo a anulação da decisão de não reconhecê-lo como refugiado. O tribunal decidiu a seu favor, mas o Tribunal Superior de Tóquio anulou a decisão em fevereiro deste ano. Atualmente, ele está em liberdade provisória e apelou ao Supremo Tribunal para o reconhecimento de refugiados.

O homem dos Camarões enfatizou que os requerentes de refugiados não devem ser tratados como animais: “Por favor, parem de nos deportar à força e de nos matar.”

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.