133 visualizações 4 min 0 Comentário

Reascensão Tecnológica, Rapidus e o Renascimento dos Semicondutores Japoneses

- 7 de maio de 2024

Preparando o Terreno para o Futuro: A Mobilização de Engenheiros da Rapidus. Colaboração com a IBM e expansão no Vale do Silício para garantir sucesso global.

A Rapidus, uma inovadora fabricante de semicondutores com sede em Tóquio, está acelerando seus planos para iniciar a produção em massa de semicondutores de ponta em 2027. Fundada em agosto de 2022 por um consórcio de oito empresas japonesas, a Rapidus tem como missão revitalizar a indústria de chips do Japão, que já foi líder mundial, e fortalecer a segurança econômica nacional. O governo japonês está apoiando fortemente essa iniciativa, com um subsídio de quase 1 trilhão de ienes.

Com a produção em massa prevista para começar em cerca de três anos, a Rapidus enfrenta desafios significativos, especialmente em termos de tecnologia e rentabilidade. No entanto, a empresa está confiante, planejando lançar uma linha de produção de protótipos em abril de 2025. O governo japonês reforçou seu apoio com um adicional de até 590 bilhões de ienes em ajuda, elevando o total de assistência financeira para até 920 bilhões de ienes.

A ambição da Rapidus é produzir em massa chips de 2 nanômetros, os semicondutores mais avançados que ainda não foram produzidos em larga escala globalmente. Esses chips, essenciais para tecnologias avançadas como inteligência artificial e condução autônoma, prometem melhor desempenho devido à sua largura de linha de circuito mais fina. Atualmente, os fabricantes de chips japoneses produzem chips de 40 nanômetros, utilizados principalmente em automóveis e eletrônicos de consumo.

Os fundos adicionais serão investidos na fábrica da Rapidus em Chitose, Hokkaido, e na aquisição de equipamentos de fabricação, além do desenvolvimento de tecnologia para a fase final de processamento de chips. A empresa busca integrar o processo inicial de produção com a fase final para reduzir o prazo de entrega e superar concorrentes estrangeiros.

Para avançar no desenvolvimento tecnológico, a Rapidus planeja enviar mais 100 engenheiros para a IBM nos Estados Unidos, que detém a tecnologia para fabricar chips de 2 nanômetros. Além disso, a empresa estabeleceu uma base de marketing no Vale do Silício para desenvolver canais de vendas.

Cerca de 300 engenheiros da Rapidus se mudarão para Chitose quando a linha de protótipos começar a operar em abril de 2025. No entanto, o Japão enfrentou desafios na indústria de semicondutores, incluindo a ascensão de fabricantes estrangeiros e um acordo com os EUA em 1986 que reduziu sua participação no mercado global.

Especialistas, como o professor Atsushi Osanai da Universidade Waseda, expressam preocupações sobre a capacidade da Rapidus de alcançar uma vantagem de custo em relação a gigantes globais como a Taiwan Semiconductor Manufacturing Co., especialmente considerando a necessidade de investimento de cerca de 5 trilhões de ienes para a produção em massa de chips de 2 nanômetros.

Os investidores iniciais da Rapidus, incluindo Kioxia, Sony Group, SoftBank, Denso, Toyota Motor, NEC, Nippon Telegraph and Telephone e MUFG Bank, contribuíram com um total de 7,3 bilhões de ienes, mas ainda não foram anunciados investimentos adicionais na empresa.

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio

contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.