Se você quer um gostinho do futuro, é só olhar para o Japão.

Veja como o economista Timothy Tayler, gerente do Journal of Economic Perspectives descreve a perspectiva do país: “O Japão está enfrentando um declínio de população e força de trabalho, e a porcentagem de pessoas mais velhas está aumentando. Isso está aumentando os gastos do governo com pensões e assistência médica e juntando isso com a tentativa de estimular a economia por meio de investimentos do próprio governo em infra-estrutura acabou gerando uma enorme dívida ao governo.”




 

Ao resistir a imigração e a população cada vez menor, o Japão deixa de ser interessante para os negócios. E isso tem que mudar. Mas isso não é algo exclusivo do Japão, outros países de primeiro mundo estão passando por isso em menor ou maior grau.

Resultado de imagem para japao cidade

No final dos anos 80 esperava-se que o Japão ultrapassasse os Estados Unidos como maior economia. Mas algumas práticas já não são mais como as de antigamente, o que faz com que o Japão por mais que gigante na economia, continue atrás dos Estados Unidos e da China, ficando em terceiro lugar.

O maior problema é o envelhecimento dos japoneses.

Um relatório do Japão feito pela Organization for Economic Cooperation and Development solicitado por Taylor e postado em seu blog, o “Conversable Economist” revela esse incrível fato: metade dos japoneses nascidos em 2007, têm a sua expectativa de vida elevada a 107 anos.

No entanto o número de partos diminuiu. O número de mortes vem excedendo o número de nascidos desde 2007.

A título de comparação, a população deverá cair 8.2 milhões, o equivalente a cidade de Tóquio. O número crescente de japoneses mais velhos causa uma enorme pressão no orçamento do governo. Desde 1991 os gastos sociais públicos, principalmente para aposentados, assistência social e cuidados a longo prazo dobrou o PIB, de 11% para 22% em 2018. O aumento dos gastos deficitários elevou a dívida do governo japonês para 226% do PIB. A maior já registrada na OECD, o equivalente ao dobro dos Estados Unidos. E as medidas para reduzir o déficit como cortando gastos ou aumentando os impostos reduzindo assim a renda dos mais novos, acaba por desencoraja-los a ter mais filhos.

Resultado de imagem para japanese city

Este desiquilíbrio no Japão poderia ser amenizado por mais imigração, mas isto nunca foi uma medida muito bem aceita em um país uma identidade muito forte. É verdade que o número de trabalhadores dobrou de 700 mil para 1.46 milhões em 2018. Mas ainda sim isto só representa 1.9% da população estrangeira em 2017. Enquanto a média do OECD é de 13%.

A solução para este problema é óbvia: mulheres deveriam ter mais filhos, pessoas devem trabalhar por mais tempo.

Apesar de uma pequena melhoria, todas foram impossíveis de alcançar. Se o Japão conseguirá sair desta situação é incerto.

Existem boas razões (politicamente) para não fazer e razões fracas (substantivamente) para fazer alguma coisa.

Muitos países avançados, incluindo os Estados Unidos, enfrentam problemas similares num grau menos severo. “O resto do mundo está observando” diz a OECD. E podem não gostar do que estão vendo.

 

via: japantimes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.