247 visualizações 5 min 0 Comentário

Oppenheimer estreia nas telas japonesas, e pasme, com filas de espectadores

- 30 de março de 2024

Hibakusha: As Vozes de Hiroshima e Nagasaki Sobreviventes compartilham suas histórias, ampliando a mensagem de “Oppenheimer”.

“Oppenheimer”, uma cinebiografia ganhadora do Oscar sobre o homem conhecido como o pai da bomba atômica, foi lançada na sexta-feira no Japão, onde dois dispositivos nucleares mataram centenas de milhares de civis há quase oito décadas. A estreia do filme no Japão ocorreu mais de oito meses depois de seu lançamento mundial.

A exibição do filme no Japão foi inicialmente adiada, já que a estreia mundial em julho passado ocorreu apenas algumas semanas antes do aniversário dos bombardeios atômicos de 1945 em Hiroshima e Nagasaki – em 6 e 9 de agosto, respectivamente – durante os últimos dias da Guerra Mundial. II.

Estreando em uma manhã chuvosa de sexta-feira no distrito de Shinjuku, em Tóquio, o lançamento não foi grandioso, com os espectadores fazendo fila para a primeira exibição pouco antes das 9h.

Quando foi lançado nos Estados Unidos, outdoors promovendo o filme foram vistos nas principais cidades, mas não houve tal alarde antes do lançamento no Japão.

O filme retrata o trabalho de J. Robert Oppenheimer – o físico teórico americano por trás do programa ultrassecreto conhecido como Projeto Manhattan – enquanto ele e um grupo de cientistas passam anos desenvolvendo a bomba atômica.

Dirigido por Christopher Nolan, o filme ganhou sete Oscars, incluindo melhor filme, arrecadando mais de US$ 950 milhões em todo o mundo.

Kenta Inobe, 47 anos, um ávido fã de Nolan que assistiu à exibição do filme na manhã de sexta-feira, disse que, devido à complexidade do filme, se perguntava se as intenções do diretor seriam totalmente compreendidas, especialmente em um país que estava diretamente envolvido.

“É um pouco perturbador nesse aspecto”, disse ele, acrescentando que enquanto assistia ao filme se perguntou se os criadores poderiam ter incluído o que aconteceu depois que as bombas foram lançadas.

Mas para os sobreviventes dos bombardeios atômicos, conhecidos como hibakusha, o filme tocou a nível pessoal.

Terumi Tanaka, 91 anos, que tinha 13 anos quando a bomba foi lançada sobre sua casa em Nagasaki – ceifando a vida de cinco membros de sua família – disse que o filme ajudaria as pessoas a considerar o que significa ter armas nucleares.

“Quero que o maior número possível de pessoas vá ver”, disse ele, acrescentando que poucas pessoas entendem o papel que as armas nucleares ainda desempenham na política de hoje – e que podem levar à destruição da humanidade.

Tanaka, que há muito trabalha para contar sua história e transmitir sua experiência às gerações mais jovens, lembra que quando a bomba explodiu, ele foi engolfado por uma luz branca brilhante, que depois mudou para azul, laranja e carmesim. Ele também se lembrou de como cremou o cadáver de sua tia – como viu seus ossos – e de como sua mãe permaneceu em silêncio o tempo todo.

“Entramos numa era em que as pessoas não consideram como estas armas podem afectar pessoas reais, como já faz cerca de 80 anos”, disse ele.

Outro hibakusha, Kunihiko Sakuma, de 79 anos, que assistiu ao filme em Hiroshima na sexta-feira, disse que embora o filme não inclua o que aconteceu depois que as bombas foram lançadas, ainda pode ser uma oportunidade de aprendizado para aqueles que só têm experiência na superfície. nível de conhecimento do que aconteceu.

Sakuma tinha apenas 9 meses quando a bomba atômica foi lançada em sua casa na província de Hiroshima. Embora ele não tenha nenhuma lembrança pessoal do evento, ele e sua mãe foram pegos pela precipitação radioativa enquanto fugiam para um abrigo.

Antes do lançamento do filme no Japão, Sakuma estava ciente de que os críticos disseram que ele não retratava Hiroshima e Nagasaki.

“Mas o filme tornou os eventos envolvendo o desenvolvimento da bomba atômica fáceis de entender”, disse ele. “Todos os indivíduos, hibakusha ou não, deveriam saber.”

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão – Tóquio

contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.