276 visualizações 7 min 0 Comentário

Previsões Futuristas de 1920, O Que Acertaram e Erraram Sobre o Japão

- 22 de maio de 2024

Envelhecimento Populacional: Um Desafio para o Japão Moderno. Como o Declínio Populacional Afeta a Economia e a Sociedade.

Em abril de 1920, a revista Nihon Oyobi Nihonjin publicou previsões de 370 celebridades e intelectuais sobre o Japão em 100 anos. Sakio Tsurumi previu que a população cresceria para 260 milhões, mas hoje é metade disso. Riichiro Hoashi esperava que os gastos do governo se concentrassem na educação, mas o envelhecimento populacional aumentou os custos de segurança social. Yaichiro Isobe previu a abolição dos kanji e a adoção do inglês como segunda língua oficial, o que não ocorreu.

Algumas previsões estavam corretas. Rinketsu Shikitsu previu que a esperança de vida aumentaria para 80-90 anos, graças aos avanços médicos. Ayahiko Ishibashi previu a geração de eletricidade solar. No entanto, prever o futuro é complexo, envolvendo avanços tecnológicos, geopolítica, conflitos, epidemias e mudanças climáticas.

O Japão enfrenta um rápido envelhecimento e diminuição da população. Tomoya Mori, da Universidade de Quioto, alerta que a crise demográfica é subestimada. Ele prevê que a população pode cair para menos de um terço até 2120, impactando negativamente a economia urbana.

O envelhecimento é mais visível em áreas rurais como Nanmoku, onde 67,5% dos residentes têm 65 anos ou mais. Aldeias abandonadas são comuns, e o número de casas vagas dobrou desde 1993. Até 2050, 744 dos 1.729 municípios do Japão podem desaparecer devido ao declínio populacional.

Mori prevê que a população urbana continuará a crescer, com 90% vivendo em cidades até 2120. Fukuoka é a única cidade que deve aumentar sua população significativamente. No entanto, cidades como Osaka e Nagoya enfrentarão declínios populacionais acentuados. A construção de arranha-céus residenciais em Tóquio pode não ser sustentável a longo prazo devido a avanços em transporte e telecomunicações. Segundo a sua simulação baseada num cenário pessimista, o preço total dos terrenos diminuirá 30% entre 2020 e 2120, enquanto o das cidades cairá 44%. O achatamento das cidades resulta numa depreciação relativamente maior dos preços dos terrenos nos grandes centros – especificamente, estima-se que o preço total dos terrenos nas três maiores regiões metropolitanas de Tóquio, Osaka e Nagoya diminua 38%.

Enquanto isso, o setor de serviços será direcionado para áreas urbanas, diz Mori. O entretenimento será substituído por streaming e serviços similares, e os shopping centers gigantes não terão mais demanda. A maioria das coisas será tratada por correspondência. À medida que a realidade virtual avança, as pessoas poderão experimentar roupas no metaverso e as lojas físicas desaparecerão e ficarão limitadas às grandes cidades.

A questão, então, é o que acontecerá com o resto do país. Ao contrário da imagem popular do Japão como uma enorme selva de betão, dois terços da área total do país são florestados. Nos últimos anos, a falta de caçadores e a proliferação de terras agrícolas abandonadas e de comunidades desertas fizeram com que animais selvagens, como veados, javalis e até ursos, invadissem mais profundamente as áreas urbanas.

Embora não haja uma resposta clara, Mori diz que o país deve esforçar-se para tirar partido dos seus recursos naturais. A tecnologia poderia ser usada para criar uma estrutura onde mesmo um pequeno número de pessoas pudesse ganhar dinheiro em indústrias primárias como a agricultura, a silvicultura e a pesca.

Para que isso aconteça, no entanto, cada região necessitará de uma cidade que sirva de centro de apoio às indústrias primárias na distribuição e noutras áreas. Como não será possível manter todas as cidades existentes, será necessário selecionar e concentrar-se em quais cidades sustentar como bases e onde investir em infraestrutura.

Embora o primeiro-ministro Fumio Kishida tenha prometido tomar medidas “sem precedentes” para inverter o declínio da taxa de natalidade – incluindo medidas para expandir os benefícios infantis e os subsídios de licença parental – as estatísticas mais recentes apontam para um futuro despovoado. No ano passado, o número de bebés nascidos atingiu um mínimo recorde pelo oitavo ano consecutivo, com 758.631, enquanto o número de mortes atingiu um recorde de 1.590.503, um aumento pelo terceiro ano consecutivo.

Mori, pai de três filhos, diz que o Japão precisa priorizar políticas de apoio às crianças, a fim de tornar a criação dos filhos mais acessível. E as crianças que vivem hoje, diz ele, beneficiariam se pensassem sobre as questões levantadas no seu estudo, uma das razões pelas quais ele publica uma coluna no seu website que descompacta a sua simulação em palavras e conceitos fáceis de entender.

Quero que as crianças pensem por si mesmas, diz ele, e considerem se o que os adultos estão fazendo é correto.

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.