158 visualizações 3 min 0 Comentário

Remédio contra Alzheimer será subsidiado pelo governo japonês

- 14 de dezembro de 2023

Um único tratamento com um medicamento para Alzheimer desenvolvido pela empresa japonesa Eisai e pela empresa norte-americana Biogen custará cerca de ¥ 2,98 milhões (US$ 20.500) por ano no Japão e será amplamente coberto pelo seguro de saúde público, disse um órgão do Ministério da Saúde na quarta-feira.

O tão aguardado medicamento, lecanemab, será lançado no Japão em 20 de dezembro, disseram as empresas. O medicamento foi aprovado em setembro como o primeiro medicamento do país que pode retardar a progressão dos sintomas da debilitante doença neurodegenerativa, através da remoção de uma proteína que se acredita ser a causa.

Como o medicamento, de marca Leqembi, será coberto pelo seguro de saúde público, quem estiver em tratamento pagará do próprio bolso entre 10% e 30% do custo, dependendo da idade e da renda.

Espera-se também que o medicamento seja coberto por um sistema no Japão que estabelece um limite máximo para o valor que um paciente paga num ano.

Um paciente com 70 anos ou mais e com renda anual de ¥ 1,56 milhão a ¥ 3,7 milhões, por exemplo, não pagará mais do que ¥ 144 mil anualmente pelo medicamento dentro do limite de pagamento.

A droga trata pessoas com Alzheimer em estágio inicial e comprometimento cognitivo leve. Estima-se que até 32 mil pacientes possam ter acesso ao medicamento a cada ano no Japão, o que representa um mercado de 98,6 bilhões de ienes, disse o órgão.

A dosagem do medicamento é baseada no peso do paciente. O custo anual de ¥ 2,98 milhões por ano é calculado com base em um paciente que pesa 50 quilos.

Os pacientes receberão 10 miligramas por 1 kg de peso corporal por meio de injeção intravenosa a cada duas semanas, por até 18 meses.

Nos Estados Unidos, o preço do medicamento é de US$ 26.500 por ano por paciente.

A droga usa um anticorpo que tem como alvo uma proteína chamada beta amilóide. A proteína em forma de placa, que se acumula dentro do cérebro e destrói as células nervosas, é considerada a causa da doença.

Eisai disse que os ensaios clínicos demonstraram que o medicamento reduziu a progressão de sintomas como perda de memória e comprometimento do julgamento em 27% em comparação com um placebo.

No entanto, alguns pacientes que receberam o medicamento apresentaram efeitos colaterais como inchaço e sangramento cerebral, disse.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.