99 visualizações 6 min 0 Comentário

Seleção masculina do BOJ é outro golpe para a igualdade de gênero no Japão

- 13 de fevereiro de 2023


Mais uma vez, três homens devem liderar o Banco do Japão (BOJ), ressaltando os obstáculos que as mulheres enfrentam para alcançar posições de liderança em um país que ocupa a pior posição entre as economias avançadas em igualdade de gênero.

O primeiro-ministro Fumio Kishida deve nomear o economista acadêmico Kazuo Ueda, 71, como governador do BOJ na terça-feira, e Ryozo Himino e Shinichi Uchida como seus deputados, disseram autoridades com conhecimento do assunto à Reuters.

Nenhuma mulher ocupou nenhum dos cargos mais altos nos 140 anos de história do banco central, embora várias tenham sido consideradas candidatas a cargos de vice desta vez.

“Este é um problema que não vai mudar facilmente”, disse Momoko Nojo, uma proeminente ativista pela igualdade de gênero no Japão. “O BOJ, mesmo agora, desde o nível de entrada é principalmente homens… Não há diversidade.”

O BOJ ficou em 142º lugar entre 185 bancos centrais em igualdade de gênero, de acordo com um relatório do ano passado do Fórum Oficial de Instituições Monetárias e Financeiras. Cerca de 11% dos bancos centrais pesquisados ​​tinham uma governadora do sexo feminino, um recorde, enquanto 37% tinham vice-governadoras.

O banco central do Japão prometeu melhorar sua diversidade de gênero, comprometendo-se há dois anos a aumentar a proporção de gerentes do sexo feminino de 6% para 10% até 2023 por meio de suporte e treinamento de carreira. Essa meta está muito abaixo do Banco Central Europeu, onde as mulheres ocupam 30% dos cargos de gestão.

O BOJ não respondeu imediatamente às perguntas sobre seus esforços para promover as mulheres.

Sua revisão anual no ano passado não especificou o progresso em direção à sua meta de diversidade de gênero, mas disse que o BOJ havia “recrutado proativamente mulheres” no ano fiscal até março, com as mulheres representando mais de 30% dos recrutas a caminho de serem diretoras, gerentes-chefe e acima.

PROBLEMA SOCIAL

A questão é muito maior do que o banco central. Kishida tem apenas duas mulheres em seu gabinete de 20 pessoas.

O Gabinete disse que não tem um plano específico para aumentar o número de mulheres ministras, mas que está trabalhando para aumentar o número de mulheres candidatas nas eleições parlamentares para 35% até o final de 2025.

Shinzo Abe, um predecessor de longa data de Kishida, havia elogiado a “economia feminina”, prometendo fazer do Japão uma nação onde “as mulheres podem brilhar”. Mas seu governo atrasou de 2020 para 2030 sua meta de aumentar a proporção de mulheres em cargos de liderança para 30%.

O Japão teve duas ministras das Relações Exteriores, mas nenhuma como primeira-ministra ou ministra das finanças. Tóquio elegeu sua primeira prefeita em 2016.

As mulheres representam apenas 15% dos altos funcionários e gerentes do setor público e privado do Japão, de acordo com dados coletados pela Organização Internacional do Trabalho.

O Japão classificou-se em 116º lugar entre 146 países em paridade de gênero no relatório global do Fórum Econômico Mundial do ano passado, o mais baixo de qualquer país na lista de economias avançadas do Fundo Monetário Internacional.

Alguns ficaram agradavelmente surpresos com o fato de três mulheres – o chefe do think tank Yuri Okina, a executiva do BOJ Tokiko Shimizu e a ex-membro do conselho do BOJ Sayuri Shirai – estarem sendo apontadas para um cargo de vice do BOJ nas últimas semanas.

“O fato de ter havido muita conversa sobre ter mulheres na liderança do banco central foi realmente revigorante”, disse Shihoko Goto, vice-diretora do Programa para a Ásia no Wilson Center, um centro de estudos com sede nos Estados Unidos.

Goto disse que o BOJ e outras instituições importantes precisam fazer mais para nutrir líderes femininas e estimular uma mudança mais ampla na indústria privada.

Ter mulheres em papéis proeminentes de interesse público ajudaria a lidar com “discriminações de gênero persistentes” no Japão, disse Kazuo Yamaguchi, professor de sociologia da Universidade de Chicago.

Mas Nojo, o ativista, disse que as nomeações programadas pelo BOJ são apenas mais um exemplo do ritmo lento de mudança em uma sociedade patriarcal conservadora.

“Parece acontecer sempre assim”, disse ela.


Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.
Comentários estão fechados.