91 visualizações 4 min 0 Comentário

Sul-coreanos foram proibidos de abater cães para o consumo

- 10 de janeiro de 2024

SEUL – O parlamento da Coreia do Sul aprovou na terça-feira um projeto de lei que proíbe a criação, o abate e a venda de cães para obter carne, uma prática tradicional que os ativistas há muito consideram uma vergonha para o país.

A Assembleia Nacional aprovou o projeto por 208 votos a 0. Entrará em vigor após um período de carência de três anos e após receber a aprovação final do Presidente Yoon Suk-yeol.

Criar, vender e abater cães para obter sua carne será punível com até três anos de prisão ou 30 milhões de won (US$ 23 mil) em multas.

A carne de cachorro faz parte da culinária sul-coreana há muito tempo e, a certa altura, acreditava-se que até um milhão de cães eram mortos para o comércio todos os anos, mas o consumo diminuiu acentuadamente recentemente, à medida que os sul-coreanos adotam em massa a posse de animais de estimação.

Comer carne de cachorro é uma espécie de tabu entre os sul-coreanos urbanos mais jovens, e a pressão dos ativistas dos direitos dos animais também tem aumentado sobre o governo para proibir a prática.

O apoio oficial à proibição cresceu sob Yoon, um amante declarado dos animais que adotou vários cães e gatos com a primeira-dama Kim Keon-hee – que é ela mesma uma crítica veemente do consumo de carne de cachorro.

Os ativistas saudaram o projeto, chamando-o de “história em construção”.

“Chegamos a um ponto crítico em que a maioria dos cidadãos coreanos rejeita comer cães e quer ver este sofrimento relegado aos livros de história, e hoje os nossos legisladores agiram decisivamente para tornar isso uma realidade”, JungAh Chae, diretor executivo da Humane Society International/Korea , disse em um comunicado.

“Embora meu coração esteja partido por todos os milhões de cães para os quais essa mudança chegou tarde demais, estou muito feliz que a Coreia do Sul possa agora encerrar este capítulo miserável de nossa história e abraçar um futuro amigável aos cães”, acrescentou ela.

Num novo inquérito divulgado na segunda-feira pelo think tank Animal Welfare Awareness, Research and Education, com sede em Seul, nove em cada 10 pessoas na Coreia do Sul disseram que não comeriam carne de cão no futuro.

Esforços anteriores para proibir a carne de cachorro enfrentaram forte oposição de agricultores que criam cães para consumo. A nova lei preverá compensações para que as empresas possam sair do comércio.

Cerca de 1.100 fazendas de cães criam milhares de cães todos os anos, que são servidos em restaurantes em todo o país, segundo dados do governo.

A carne de cachorro é geralmente consumida na Coreia do Sul como uma iguaria de verão, e acredita-se que a carne vermelha gordurosa – invariavelmente fervida para ficar macia – aumenta a energia para ajudar a lidar com o calor.

A atual lei de proteção animal do país visa principalmente prevenir o abate cruel de cães e gatos, mas não proíbe o consumo em si.

No entanto, as autoridades invocaram a lei e outros regulamentos de higiene para reprimir quintas e restaurantes caninos antes de eventos internacionais como os Jogos Olímpicos de Pyeongchang de 2018.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.