215 visualizações 4 min 0 Comentário

Tanshin Funin, Navegando pela Separação Familiar no Japão Moderno

- 9 de abril de 2024

Conhecendo Haruko: Introdução ao Tanshin Funin, Uma Prática Japonesa de Separação por Trabalho.

Ao me mudar para o Japão e conhecer Haruko, uma mãe de dois filhos que vivia em meu prédio, fui introduzido ao conceito de “tanshin funin”, uma prática japonesa onde funcionários casados, geralmente homens, são transferidos para outras cidades ou regiões, deixando suas famílias para trás. Esse fenômeno ocorre frequentemente em março, marcando o final do ano comercial japonês, e reflete as exigências corporativas que priorizam as necessidades da empresa sobre as pessoais, levando a família a enfrentar desafios significativos, como a interrupção da educação dos filhos, a gestão da casa e a manutenção das carreiras dos cônjuges.

Minha própria jornada com “tanshin funin” começou quando meu marido foi transferido para Buffalo, Nova York, enquanto minha carreira editorial estava em ascensão em Tóquio. Essa separação não só impactou nossa vida familiar, mas também me fez refletir sobre as concessões feitas por casais em situações similares. Anos mais tarde, enfrentamos novamente a separação devido a uma oportunidade de MBA para meu marido em Nashville, Tennessee. Essas experiências reforçaram a necessidade de comunicação e adaptação dentro do casamento, especialmente quando se equilibram carreira e família à distância.

A prática de “tanshin funin” não é exclusiva das grandes corporações de Tóquio ou Osaka. Kathryn Akasaka e seu marido, que vive em Morioka, também optaram por viver separados para não interromper a educação de sua filha e a carreira de Kathryn. Esse arranjo, embora desafiador, é mantido por meio de comunicação constante e dedicação aos finais de semana em família.

A pandemia de COVID-19 trouxe novas dimensões ao “tanshin funin”, com algumas famílias, como a de Makimi Murata, enfrentando extensões inesperadas de suas missões no exterior devido às restrições de viagem e mudanças nas políticas educacionais. No entanto, a pandemia também abriu caminho para o teletrabalho, permitindo a alguns, como Seichi Kato, finalmente retornar ao lar após anos de separação.

Empresas japonesas estão começando a reconhecer a necessidade de flexibilidade nas transferências de funcionários. A AIG Japan Holdings, por exemplo, introduziu políticas que permitem aos funcionários escolher entre ser “móveis” ou “não móveis”, uma mudança que reflete uma adaptação às expectativas modernas de equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. Essa abordagem não apenas beneficia os funcionários, mas também atraiu um número significativamente maior de candidatos jovens, indicando uma preferência clara pela flexibilidade e estabilidade familiar.

Minha experiência com “tanshin funin” e o tempo passado longe do meu marido na China me ensinaram o valor da comunicação e da adaptação. Embora a separação possa ser desafiadora, ela também pode fortalecer os relacionamentos e oferecer oportunidades de crescimento pessoal e profissional. À medida que o Japão e suas empresas continuam a evoluir, esperamos ver mais famílias encontrando maneiras de viver juntas, sem a necessidade de escolher entre carreira e coesão familiar.

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão – Tóquio

Comentários estão fechados.