100 visualizações 10 min 0 Comentário

The Ones Left Behind: The Plight of Single Mothers in Japan

- 28 de outubro de 2023

Lutador profissional e documentarista podem parecer uma combinação de carreira incongruente, mas esses são apenas duas faces de Rionne McAvoy.

Apoiando-se na última face, concluiu documentário premiado, “ The Ones Left Behind: The Plight of Single Mothers in Japan ”.

Filho de um artista marcial, McAvoy treina desde os 8 anos. Depois de ganhar o título estadual de Karatê Queensland aos 19 anos, ele veio ao Japão pela primeira vez para aprimorar a técnica. Querendo se aprofundar na cultura japonesa, posteriormente voltou como um jovem adulto. McAvoy é faixa preta de quarto grau em aikido e um ávido lutador de catch.

Em 2008, McAvoy apareceu na frente das câmeras, atuando em um curta-metragem que escreveu ambientado no Japão. Porém, apesar de querer ser ator, ele se viu com a parte técnica até o pescoço depois que o diretor americano com quem trabalhava abandonou repentinamente o projeto no primeiro dia.

Este sucesso com projetos comerciais encorajou McAvoy a considerar um documentário sobre a vida de mães solteiras no Japão – o que acabaria por se tornar “The Ones Left Behind”. Seu interesse inicial foi despertado depois de conversar com várias mães solteiras entre seus conhecidos, mas ele rapidamente percebeu que a situação delas era muito mais complexa do que ele havia pensado inicialmente.

Múltiplas vozes

O primeiro grande desafio durante as filmagens foi encontrar pessoas para conversar diante das câmeras. Apesar de ter contatado organizações de apoio a mães solteiras em todo o Japão, os esforços de McAvoy obtiveram muito poucas respostas. Felizmente, recebeu uma resposta de Mayumi Nishida, diretora do grupo de defesa Heart Full Family, com sede em Tóquio. Nishida aparece no documentário e ajudou a dar o pontapé inicial nas entrevistas ao apresentar McAvoy a duas mães solteiras.

“Fui até Fukui (província) para conhecê-los, e só depois de filmar suas entrevistas e poder começar a mostrar às pessoas partes do documentário é que consegui que outras pessoas aderissem ao projeto”, diz ele. “E eu não digo ‘mães solteiras japonesas’ – eu digo ‘mães solteiras no Japão’. Temos uma mãe queniana incrível no filme e há muitas mães solteiras estrangeiras no Japão.”

As mulheres que compartilham suas histórias no documentário constituem um grupo diversificado. Seus filhos variam em idade, desde crianças até jovens adultos, e seus empregos incluem trabalhadora terceirizada de escritório, sacerdotisa de templo e atriz. Embora a maioria seja divorciada, também há mulheres que ficam solteiras por opção depois de engravidarem inesperadamente. O que os une a todos é o desejo de viver com um sentido de valor próprio e de dignidade, e com meios suficientes para proporcionar vidas estáveis ​​e um futuro brilhante aos seus filhos.

Contudo, documentar a vida das mães era apenas metade da equação. McAvoy logo percebeu que também precisava investigar o que há na sociedade japonesa que torna a vida de mãe solteira um desafio tão grande.

“Eu precisava pesquisar o aspecto histórico das coisas e descobrir o que significa fazer parte de uma família japonesa”, diz McAvoy. “Encontrei Akihito Kato, da Universidade Meiji, que talvez seja o principal pesquisador profissional do Japão sobre família nuclear.”

Também era importante para McAvoy incluir contribuições de acadêmicos e profissionais que pudessem “comprovar as histórias” que ele ouvia. O jornalista e autor Robert Whiting fala no filme sobre como o Japão mudou desde a Segunda Guerra Mundial, enquanto outros entrevistados incluem Yanfei Zhou, da Japan Women’s University, que escreveu sobre as mães solteiras do Japão, e Jeff Kingston, da Temple University Japan, um comentarista frequente sobre A sociedade japonesa na mídia.

A pobreza “oculta” do Japão

Durante as filmagens, McAvoy ficou chocado ao saber que um país rico como o Japão tem uma alta taxa de pobreza infantil: 70% das famílias monoparentais aqui ganham menos de ¥ 2 milhões (cerca de US$ 13.300) por ano, o que é cerca de um terço da média nacional para famílias com dois pais que criam filhos no Japão. Isto não se deve à falta de vontade de trabalhar: entre os 38 países da OCDE, o Japão tem a maior taxa de emprego para famílias monoparentais, com 85%.

A cultura japonesa de longas horas de trabalho e uma tendência inerente à contratação de mulheres com filhos para funções profissionais significam que as mães solteiras estão muitas vezes limitadas a empregos mal remunerados e a tempo parcial.

As deduções fiscais originalmente introduzidas para apoiar as famílias dos trabalhadores assalariados em empregos de colarinho branco, que incentivam as mulheres casadas a limitar os seus rendimentos e a ficar em casa para criar os filhos, contribuíram ainda mais para as disparidades salariais entre homens e mulheres no país. Embora existam benefícios governamentais para famílias monoparentais, o processo de candidatura é complicado e humilhante, como testemunham vários dos entrevistados no documentário. Aqueles que ainda estão legalmente casados ​​não são elegíveis para programas de assistência social, colocando as mulheres que estão separadas mas ainda não divorciadas numa situação particularmente vulnerável.

Outro fator atenuante são as leis de divórcio do Japão, que normalmente atribuem a custódia exclusiva de uma criança ao cuidador principal – geralmente a mãe. Embora os críticos também culpem este sistema por excluir efetivamente muitos pais divorciados da vida dos seus filhos, as mães solteiras sofrem de uma forma diferente: apenas 28% das famílias monoparentais elegíveis recebem consistentemente apoio infantil do seu ex-parceiro.

Mudando atitudes

Como primeiro passo, McAvoy sugere que o governo japonês poderia melhorar o sistema de obtenção de pagamentos de apoio de pais que não têm a custódia, transferindo a responsabilidade dos tribunais para agências governamentais de assistência social, em linha com alguns outros países.

“Por causa do koseki (sistema de registro familiar do Japão), o governo sabe quem são os pais”, diz McAvoy. “Não há razão para que esses pais não devam pagar pensão alimentícia. No entanto, há também uma necessidade de educar as mães, uma vez que muitas se recusam a envolver-se com os seus ex-maridos após o divórcio.”

McAvoy sente-se orgulhoso pelo fato de “The Ones Left Behind” poder desempenhar um papel na sensibilização para a questão. Apesar dos desafios ao longo do caminho, ele acredita que foi capaz de se aprofundar neste assunto a um nível que poderia ter sido mais difícil para um cineasta japonês. “Existe a ideia de que todos no Japão são de classe média ou superior – o que é tudo fumaça e espelhos – bem como o aspecto das pessoas que se recusam a admitir que estão passando por dificuldades”, diz ele. “É por isso que ninguém sabe desses problemas. Moro aqui há 20 anos e não fazia ideia. Qualquer um que assistir ao filme dirá a mesma coisa.”

Em última análise, McAvoy espera mudar a percepção comum de que se deve ter pena destas mulheres.

“Mães solteiras são guerreiras”, diz ele. “Elas estão lutando com tudo o que têm, todos os dias, mas precisamos apoiá-las melhor. Podemos fazer mais.”

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.