159 visualizações 8 min 0 Comentário

Oppenheimer, filme que enaltece o criador da bomba atômica

- 28 de outubro de 2023

Três meses após o seu lançamento mundial, o filme de Christopher Nolan sobre o criador da bomba atômica, “Oppenheimer”, ainda não foi visto no único país onde as armas foram lançadas: o Japão.

Nem a Universal Studios, que lançou o filme nos Estados Unidos e em outros países em 21 de julho, nem a Toho-Towa, distribuidora local da Universal, comentaram sobre seu destino no terceiro maior mercado cinematográfico do mundo; Toho-Towa encaminhou laconicamente todas as dúvidas sobre “Oppenheimer” à Universal e disse que ainda não recebeu nenhum material promocional da empresa. Entretanto, a Confederação Japonesa de Organizações que Sofrem das Bombas A e H, que representa os hibakusha do Japão (vítimas dos bombardeamentos da Segunda Guerra Mundial), também se recusou a comentar. “Não vimos o filme”, disse uma porta-voz.

Os filmes de Hollywood normalmente são lançados sem incidentes no Japão, embora haja exceções. “ Unbroken ”, um filme de 2014 que retrata a história da vida real de Louis Zamperini, um prisioneiro de guerra torturado por um sádico comandante de campo japonês, foi interrompido por uma campanha da mídia de direita japonesa. Eventualmente, foi exibido em cinemas de arte.

“Oppenheimer” foi inaugurado na vizinha Coreia do Sul em agosto e tem sido um sucesso financeiro na China e em outros mercados asiáticos.

O épico histórico conta a história de J. Robert Oppenheimer (interpretado por Cillian Murphy), o cientista americano que dirigiu a equipe que projetou e construiu a bomba. O filme recebeu críticas em sua maioria fortes – Tara Brady, no The Irish Times, chamou-o de “profundamente falho, mas brilhante” – mas também atraiu críticas por relegar as muitas vítimas do trabalho de Oppenheimer a uma mera nota de rodapé.

Os militares dos EUA lançaram duas bombas atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki em agosto de 1945, menos de um mês depois de Oppenheimer supervisionar o primeiro teste de bomba nuclear do mundo (também conhecido como teste Trinity) no Novo México, e os atentados no Japão mataram mais de 200.000 pessoas, a maioria civis. No entanto, esta destruição é apenas mencionada e não mostrada no filme.

Entre os críticos do filme está o diretor americano Spike Lee, que disse ao The Washington Post este mês que, com três horas de duração, Nolan poderia ter acrescentado “mais alguns minutos sobre o que aconteceu ao povo japonês”.

“As pessoas foram vaporizadas”, continuou o diretor. “Muitos anos depois, as pessoas estão radioativas. Não é como se ele não tivesse poder. Ele diz aos estúdios o que fazer. Eu adoraria que o final do filme mostrasse o que aconteceu, lançando aquelas duas bombas nucleares no Japão.”

Nolan, que chama Oppenheimer de “a pessoa mais importante que já existiu”, disse sentir que afastar-se da experiência do cientista no filme teria “traído os termos da narrativa”.

“Ele soube dos bombardeios de Hiroshima e Nagasaki pelo rádio – assim como o resto do mundo”, disse Nolan à NBC em julho.

Os comentaristas especularam que a Universal está preocupada com a reação do mercado interno japonês ao filme, incluindo a perspectiva de protestos. “Uma biografia do fabricante da bomba atômica que exclua qualquer cena do lançamento da bomba terá grande probabilidade de ser inundada de críticas no Japão”, escreveu a revista Weekly Gendai em agosto.

“Barbenheimer” – o confronto de bilheteria orquestrado nas redes sociais entre “Oppenheimer” e a comédia de grande sucesso “Barbie”, de Greta Gerwig, que levou muitos americanos aos cinemas para ver os dois filmes como um filme duplo – provavelmente não ajudou suas perspectivas no Japão, especula MG Sheftall, autor do próximo livro, “Hiroshima: The Last Witnesses”.

O fenômeno “Barbenheimer” foi “tolices frívolas envolvendo conteúdo diretamente relacionado ao capítulo mais sombrio do sofrimento japonês, que fez os americanos parecerem simplistas e insensíveis”, diz Sheftall.

“Se (‘Oppenheimer’) tivesse sido lançado no Japão, sem dúvida teria havido algumas críticas pela elisão do sofrimento japonês no filme, mas nada que alguns assessores corporativos não pudessem ter contornado.”

Sheftall prevê que o filme teria feito sucesso no Japão e está “perplexo” por não ter sido lançado.

A incineração de Hiroshima e Nagasaki, vista por muitos como um dos maiores crimes de guerra da história, nunca foi retratada graficamente num filme americano de grande circulação. James Cameron, que chegou mais perto com uma cena assustadora em “O Exterminador do Futuro 2: O Dia do Julgamento”, teria passado anos tentando desenvolver um filme baseado na história do duplo hibakusha Tsutomu Yamaguchi, que sobreviveu aos dois bombardeios atômicos.

Há também a questão do momento da data de lançamento original do filme. Em um artigo de 27 de julho, o colaborador do Japan Times, Mark Schilling, escreveu que “dado que (o verão) é uma época do ano em que muitas famílias (no Japão) fazem um raro passeio ao cineplex local, as ofertas tendem a ser familiares”.

Ele continua escrevendo: “Abrir o filme quando o Japão comemora os bombardeios atômicos de Hiroshima (6 de agosto) e Nagasaki (9 de agosto) seria de gosto questionável. Os distribuidores japoneses tendem a esperar até os meses de outono e inverno para lançar filmes de grandes diretores com grande potencial de premiação.”

Por esse raciocínio, “Oppenheimer” terá outra chance no Japão, principalmente se ganhar algum prêmio no Oscar no início do próximo ano. Mas, como salienta o escritor japonês Roger Pulvers, quanto mais os distribuidores esperam, mais perdem em termos comerciais.

A decisão de arquivar o filme é comercial, não política, diz ele. “Existem pessoas muito densas nas empresas cinematográficas”, diz Pulvers.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.