65 visualizações 6 min 0 Comentário

Upload Mental, Ficção Científica ou a Próxima Grande Realidade?

- 4 de fevereiro de 2024

Descubra Como Conversar com Quem Já Se Foi: Fascinado pela interação entre sua filha e Siri, Emil Jimenez criou um futuro onde ninguém diz adeus.

Em uma viagem de trem por Viena, a curiosidade infantil sobre a existência de uma múmia transformou-se na inspiração para Emil Jimenez, fundador da MindBank AI, vislumbrar um futuro onde as conversas com entes queridos pudessem transcender o tempo. Fascinado por sua filha interagindo com Siri, Jimenez imaginou um mundo onde sua presença e orientação pudessem persistir através de um “gêmeo digital”, mesmo após sua morte. Este conceito evoluiu para a criação da MindBank AI, uma empresa dedicada a transformar memórias e emoções humanas em presenças digitais que oferecem suporte emocional e promovem a produtividade.

Jimenez compartilhou como a perda pessoal e momentos de alegria foram meticulosamente mapeados em seu próprio gêmeo digital, destacando a interseção da vida e da morte em sua jornada. A realização desse projeto não apenas reflete a busca humana por conexão e legado, mas também toca em questões mais amplas sobre a natureza da mortalidade e a busca pela imortalidade.

Discussões sobre a morte variam grandemente, influenciadas por culturas e perspectivas pessoais. Em algumas tradições, como no Japão, a morte é vista como um trânsito para outro mundo, um tema explorado em textos históricos e poesias. Por outro lado, o debate filosófico contemporâneo, representado por figuras como Adam Buben, questiona o valor e o significado de uma vida potencialmente imortal.

A imortalidade, muitas vezes considerada um conceito dividido e complexo, é discutida sob diferentes prismas, desde a extensão da vida até a indestrutibilidade. A possibilidade de uma vida prolongada, mas tecnicamente mortal, desperta interesse, contrastando com visões mais tradicionais de imortalidade que podem parecer distantes ou até indesejáveis. A discussão se abre para a ideia de que formas condicionais de imortalidade, onde os efeitos do envelhecimento e da doença são controláveis, podem ser mais atraentes para a sociedade contemporânea.

Enquanto a sociedade frequentemente confronta a ideia da mortalidade após eventos significativos ou perdas pessoais, um grupo crescente de cientistas e tecnologistas dedica-se intensamente à investigação de métodos para transcender a morte física, introduzindo o conceito de imortalidade digital. Com a tecnologia permeando áreas da vida antes vistas como inalteráveis, surge a pergunta: será possível superar a fronteira final entre a vida e a morte?

Proponentes do “upload mental”, como Masataka Watanabe, professor associado na Universidade de Tóquio, acreditam na viabilidade futura dessa tecnologia, prevendo sua realização nas próximas duas décadas. Esta abordagem envolveria a criação de uma versão digital do cérebro humano, permitindo a preservação de memórias e, possivelmente, da consciência. Enquanto Watanabe brinca sobre a exclusão de memórias indesejadas, ele destaca a seriedade de sua proposta, apesar das numerosas questões éticas e práticas que surgem, incluindo a autenticidade e a continuidade da identidade pessoal.

Joe Strout, outro defensor do upload da mente e membro fundador da organização Carboncopies, imagina um futuro onde a morte se torne obsoleta. Essa visão inclui uma sociedade diversificada composta por humanos biológicos, indivíduos com mentes digitalizadas residindo em realidades virtuais e seres em corpos robóticos habitando o mundo físico. Strout compara a estranheza atual em relação à digitalização da mente com o conceito histórico de copiar livros, sugerindo que, assim como nos adaptamos à replicação de textos, eventualmente aceitaremos a duplicação de consciências.

No entanto, a complexidade do que constitui uma pessoa, incluindo aspectos não tangíveis como a alma ou o espírito, adiciona camadas de dificuldade à concepção de imortalidade digital. A divisão filosófica sobre se somos definidos por nossa continuidade biológica ou pela consistência de nossa mente e memórias permanece um debate central.

Além das especulações futurísticas, a tecnologia atual já começa a borrar as linhas entre vida e morte através do desenvolvimento de “bots de luto”, que utilizam inteligência artificial para imitar a comunicação de entes queridos falecidos. Enquanto alguns veem isso como uma forma de manter a presença dos que se foram, outros alertam para os potenciais danos emocionais dessa dependência tecnológica.

A aspiração à imortalidade reflete o desejo humano de deixar um legado duradouro, seja através da procriação, da criação artística ou da conquista. Enfrentar nossa própria mortalidade nos motiva a buscar vidas significativas e a deixar marcas que transcendam nossa existência física. A imortalidade digital, portanto, representa mais uma fronteira na busca humana por significado e permanência em um universo efêmero.