129 visualizações 4 min 0 Comentário

Você pode sentir que? Pesquisadores do Japão usam tecnologia háptica para compartilhar sensações

- 8 de fevereiro de 2023
Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.

E se você pudesse compartilhar a textura do tecido, a sensação de dedilhar uma corda de violão ou moldar a argila com outra pessoa a milhares de quilômetros de distância?

Pesquisadores japoneses da NTT Docomo, Keio University e do Nagoya Institute of Technology tornaram isso uma realidade.

Os pesquisadores desenvolveram o que afirmam ser a primeira tecnologia de “compartilhamento de sensações” do mundo, que permite aos usuários enviar movimentos ou sensações táteis digitalmente por meio de um sensor remoto e reproduzi-los em pequenas e sutis vibrações.

Hironori Ishikawa, funcionário da NTT Docomo que supervisiona o projeto, disse que o desenvolvimento ampliará o potencial da comunicação humana.

“Temos nos comunicado por meio de palavras, imagens e música, mas não acho que conseguimos ver o quadro completo apenas com esses fatores”, disse Ishikawa.

A tecnologia “Feel Tech” detecta o toque físico de uma pessoa por meio de um dispositivo, envia os dados on-line por meio da plataforma de aumento humano da Docomo e recria a sensação em outro dispositivo para que outra pessoa sinta.

A tecnologia também é capaz de ajustar os dados sensoriais para que o destinatário possa sentir o “toque” sendo transmitido com mais clareza. A Docomo planeja implementar redes móveis 6G para garantir que as sensações transmitidas estejam sincronizadas com a filmagem exibida.

Os compradores online, por exemplo, poderão usar a tecnologia para sentir diferentes tipos de tecidos usados ​​nas roupas e julgar sua qualidade.

Ishikawa disse que a tecnologia também permite que as pessoas compartilhem habilidades e técnicas. Os artesãos, por exemplo, podem compartilhar remotamente seu ofício com outras pessoas, o que ele espera que possa ajudar a aliviar o problema do número decrescente de sucessores. A tecnologia também pode ser usada de forma semelhante por médicos para compartilhar seus conhecimentos.

A partir do próximo ano, a Docomo planeja desenvolver ainda mais a tecnologia para que as pessoas possam compartilhar outras experiências sensoriais, como paladar, audição e emoções.

“Dessa forma, podemos tentar entender completamente como os outros estão se sentindo e, ao fazê-lo, esperamos contribuir para resolver problemas sociais como o assédio”, acrescentou Ishikawa.

O dispositivo de compartilhamento háptico desenvolvido pela NTT Docomo, Keio University e Nagoya Institute of Technology |  CORTESIA DE NTT DOCOMO
O dispositivo de compartilhamento háptico desenvolvido pela NTT Docomo, Keio University e Nagoya Institute of Technology | CORTESIA DE NTT DOCOMO
Comentários estão fechados.