111 visualizações 2 min 0 Comentário

32.926 itens de bebidas e alimentos tiveram aumento em 2023

- 1 de janeiro de 2024

Os aumentos de preços atingiram um total de 32.396 itens produzidos por 195 grandes empresas de alimentos e bebidas do país em 2023, a maior quantidade em 30 anos desde o colapso da bolha econômica na década de 1990, de acordo com a empresa de pesquisa Teikoku Databank.

O número representa um aumento de 25,7% em relação a 2022, quando subiram os preços de 25.768 alimentos.

O número de itens cujos preços serão aumentados no próximo ano deverá cair drasticamente para cerca de 15 mil. Ainda assim, um responsável alertou que os preços poderão subir para mais itens do que o previsto, dependendo de fatores de custo e movimentos cambiais.

Em 2023, os aumentos de preços atingiram mais de 5.000 itens em fevereiro, quando os principais fabricantes aumentaram os preços dos alimentos congelados, e em abril, quando os preços da maionese e de outros produtos aumentaram devido à escassez de ovos. Cerca de 4.760 itens tiveram preços elevados em outubro.

O ritmo dos aumentos de preços desacelerou no final de 2023, à medida que os fabricantes ficaram cada vez mais preocupados com a queda nos volumes de vendas. Os preços de apenas 139 e 678 itens aumentaram em novembro e dezembro, respectivamente.

De acordo com a pesquisa, as famílias de duas pessoas ou mais reduziram os gastos com alimentos em 3.685 ienes por mês, com um número crescente de consumidores preocupados com o orçamento mudando para itens de marca própria mais baratos ou reduzindo o número de itens que compram.

Em 2024, os preços de 3.891 itens, incluindo azeite e uísque, deverão subir até maio.

Os aumentos de preços podem resultar do crescimento dos custos com pessoal associados aos aumentos salariais, bem como de uma recuperação nas contas de serviços públicos após o término do programa de subsídios do governo.

Outro fator possível é um aumento nos custos logísticos devido ao chamado problema de 2024, ligado à grave escassez de caminhoneiros que pode surgir de novas regulamentações de horas extras.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.