87 visualizações 2 min 0 Comentário

90% no Japão sentem que existe discriminação contra deficientes: pesquisa

- 17 de março de 2023

Quase 90% das pessoas no Japão acreditam que a discriminação e o preconceito contra pessoas com deficiência continuam a persistir, de acordo com uma pesquisa recente do governo.

A pesquisa realizada no ano passado constatou que 88,5% responderam que a discriminação contra essas pessoas “existe” ou “existe até certo ponto”, apesar da realização das Paraolimpíadas de Tóquio em 2021, de acordo com os resultados divulgados pelo Gabinete no final de fevereiro.

O número superou os 83,9% de pessoas que responderam da mesma forma na pesquisa anterior, realizada com métodos diferentes em 2017 e realizada um ano após a entrada em vigor de uma lei que proíbe a discriminação contra pessoas com deficiência.

Entre os entrevistados que afirmaram haver preconceito e discriminação no estudo, realizado em novembro e dezembro de 2022, 58,9% disseram sentir que houve melhora nos últimos cinco anos, enquanto 40,4% responderam que não.

A lei, criada para prevenir a discriminação contra pessoas com deficiência, foi promulgada em 2013 e permitiu ao Japão ratificar a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência no ano seguinte, destinada a proteger seus direitos humanos e garantir suas liberdades fundamentais.

A lei foi revisada em 2021 e obriga as empresas privadas a acomodar pessoas com deficiência, implementando medidas como a instalação de acessos inclinados para cadeiras de rodas e a comunicação com pessoas com deficiência auditiva por meio da escrita.

Mas apenas 24,0 por cento responderam que conheciam a lei, enquanto 74,6 por cento disseram que não a conheciam.

“Queremos continuar promovendo a conscientização sobre a lei para eliminar a discriminação”, disse um funcionário do Gabinete.

A pesquisa foi realizada por correio, com questionários enviados a 3.000 pessoas com 18 anos ou mais, resultando em 1.765 respostas válidas. A pesquisa anterior, em 2017, foi realizada por entrevista.

Comentários estão fechados.